Vice Ministro de Belarus visita o Brasil, elogia a arquitetura da Capital Federal e fala sobre os negócios Bilaterais

                                                                                                                       

O Vice Ministro de Belarus

Evgeny Shestakov, visitou Brasíia e concedeu uma entrevista exclusiva ao Brasilia In Foco, estiveram presentes também representantes da Missão Diplomática de Belarus no Brasil,  o Embaixador Aleksandr Tserkovsky, e o Diplomata conselheiro Alexandr shkatulov, todos  estiveram reunidos e fechando acordos inter governamentais com o representante do Governo Federal do Brasil  Embaixador  Santiago Mourão   e com o Secretário Executivo do Ministério da Indústria Marcos Jorge de Lino.

O Ministro afirmou que ficou impressionado com a arquitetura da Capital Federal em sua pimeira visita ao Brasil,  mencionou também que as relações entre os dois países são construídas há cerca de 25 anos, apesar da distância geográfica a pauta política e negocios bilaterias  são muito bem estabilizadas independente de  mudanças partidárias e ideológicas entre as nações, as relações diplomáticas estão consolidadas, sendo a bielorussia grande importador de açucar brasileiro, ferro, tabaco, couro e frutas  e exportador de adubos, tecidos e máquinas .

Evgeny Shestakov mencionou que a Belarus faz parte de um grupo econômico da   Euroasia, composto  por 5 países membros; Russia, Belarus, cazaquistão, Armênia e kirgistão, totalizando uma população de 180 milhões de habitantes.

Confira na íntegra a entrevista oficial com o Ministro:

Honorável Vice-ministro, o que  o Senhor poderia dizer sobre a cooperação entre o Brasil e Belarus, especialmente sobre o comércio e a economia?

¨Belarus vê o desenvolvimento de cooperação abrangente com o Brasil como um vetor priorizado de sua política externa na América Latina

O comércio entre nossos países é um componente importante de nossas relações bilaterais. Em 2016, o volume de negócios foi de 525 milhões de dólares. Este número não pode nos satisfazer. O potencial econômico de nossos países significa que há espaço para o crescimento na cooperação no comércio, ciência e tecnologia, educação e outras áreas.

Gostaríamos de dar um novo impulso ao desenvolvimento das relações bilaterais com o Brasil nas áreas de economia e comércio.

O mercado brasileiro de fertilizantes, mercado de produtos petroquímicos e o mercado de máquinas agrícolas são de grande interesse para os produtores belarussos.

Tenho certeza de que os tratores de “MTZ”, caminhões de mineração de “BelAZ”, colheitadeiras de “Gomselmash” e outras máquinas belarussas podem tomar seu lugar digno no mercado brasileiro.

Belarus está pronta para abraçar formas de cooperação mais complexas que pressupõem a criação de linhas de montagem conjunta de máquinas belarussas no Brasil.

Possibilidades adicionais para ampliar sua cooperação é a adesão da Belarus e do Brasil nas organizações regionais – na União Econômica Eurasiática e no Mercosul.

Nesse contexto, vemos o Brasil como um parceiro potencial para o avanço da produção de Belarus em colaboração com as empresas brasileiras para o mercado comum dos estados-membros do Mercosul.

A adesão de Belarus na União Econômica Eurasiática também dá às empresas brasileiras boas perspectivas para aumentar a exportação através de Belarus, que oferece um componente logístico bem desenvolvido, pessoal altamente qualificado e condições lucrativas para a criação de empresas comuns.

Já é tempo de os nossos círculos empresariais, com a ajuda ativa dos governos de nossos países, darem um novo impulso às relações comerciais e económicas. A principal direção é a diversificação do comércio bilateral, a criação de empresas comuns e a facilitação da cooperação direta entre os produtores e os consumidores. Também é necessário ampliar a base jurídica da cooperação bilateral para que ela corresponda ao nível necessário para a ativização de todo complexo das relações belarussas-brasileiras.

Isso e também outros temas estão sendo cuidadosamente discutidos durante minha visita ao Brasil.¨

Poderia nos informar brevemente sobre os resultados das reuniões que ocorreram hoje no Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil?

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer aos nossos colegas brasileiros para a organização das reuniões e das palestras. A atmosfera foi construtiva e amigável. Discutimos os passos concretos para o desenvolvimento de nossa cooperação bilateral.

¨Eu acredito que o resultado mais importante de nossas reuniões é a existência do desejo mútuo de amplificar os contatos bilaterais em todas as áreas de nossas relações, especialmente em relação à economia e ao comércio. Sem dúvida, ajudará a resolver as principais tarefas econômicas iminentes.

Estamos seriamente interessados em realização mais completa do potencial que existe em nossas relações bilaterais que nos permitiria aumentar e diversificar o volume de negócios.

O resultado mais tangível das negociações de hoje é a assinatura do Memorando de entendimento entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros da República de Belarus e o Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil sobre a criação da Comissão Conjunta Belarussa-Brasileira de Cooperação Econômica. Pensamos que essa comissão se tornaria um dos instrumentos mais importantes para implementar os projetos econômicos mutuamente benéficos.

Também tomamos nota de vários projetos conjuntos de perspectiva em que começaremos a trabalhar em breve.

Decidimos continuar nossos esforços no desenvolvimento da cooperação em áreas de petróleo e gás, engenharia mecânica e agricultura, também chegamos a uma conclusão comum sobre a necessidade de buscar pontos de contato em áreas de alta tecnologia.

Chegamos a acordos em questões de colaboração sustentável entre os círculos empresariais. Em breve elaboraremos as possibilidades de estabelecer contatos entre a Confederação Nacional da Indústria do Brasil, correspondências assistivas do Brasil, comunidades empresariais e câmaras de comércio e indústria de nossos países.

Espero que os esforços conjuntos dos nossos colegas brasileiros e do nós permitirão a ampliação do volume de negócios, a aplicação de formas mais complexas de cooperação e a criação de empresas comuns.¨

 

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.