Universidades do Cazaquistão e do Brasil firmam acordo de cooperação científica e educacional

Com o objetivo de estabelecer cooperação acadêmica, científica e técnica na área de pesquisa científica agrícola, foi realizada uma reunião online na sede da Embaixada do Cazaquistão no Brasil com a participação do Primeiro Vice-Reitor do Conselho Nacional da Universidade de Pesquisa Agrária do Cazaquistão (KazNARU), Primkul Ibragimov, e o Reitor da Universidade Federal do Estado do Rio Grande do Sul (UFRGS), Carlos André Bulhões Mendes.

Durante a conversa, nesta sexta-feira (2), as partes se informaram sobre as principais atividades de suas universidades, trocaram opiniões sobre a importância da ciência e da educação no fortalecimento das relações cazaque-brasileiras, bem como discutiram as perspectivas de intercâmbio acadêmico e científico entre as universidades.

Como resultado da reunião, foi assinado o Memorando entre a Universidade Nacional de Pesquisa Agrária do Cazaquistão e a Universidade Federal do Estado do Rio Grande do Sul sobre cooperação em ciência agrária.

A cooperação inclui intercâmbio de informações científicas e melhores práticas, participação em conferências científicas conjuntas, fóruns, consultas, seminários, simpósios, mesas redondas e outros eventos organizados pelas universidades. O Memorando possibilitará a realização de pesquisa e desenvolvimento científico conjunto, bem como o intercâmbio acadêmico e científico, a preparação conjunta e a publicação de literatura educacional-metodológica e científica.

Considerando os termos de cooperação e a experiência dos dois países, a integração da ciência e da educação será fortalecida para introduzir e usar novas tecnologias na agricultura e na agroindústria.

Em 2023, Cazaquistão e Brasil comemoram o 30º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas.

As informações são da Embaixada do Cazaquistão.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.