Artigo do Ministro das Relações Exteriores da Sérvia, Nikola Selakovic: O que o “Sretenje” nos ensina

Duas concepções chave de construção do Estado foram personificadas nas figuras chave da época, Karadjordje e Milos Obrenovic. O primeiro é a combatividade e prontidão para lutar pelo estado com armas, e o segundo se materializa em Milos, um político-diplomático

Os feriados nacionais em um nível simbólico descrevem o caráter de uma nação. Nesse sentido, nosso Dia do Estado é um feriado importante e narrativo em muitos aspectos. Em Sretenje, em 1804, nossos ancestrais deram um passo decisivo no sentido de derrubar o jugo turco, e então em 1835, no mesmo dia, eles adotaram sua primeira Constituição. Em apenas três décadas, a Sérvia passou de uma província fronteiriça do Império Otomano a um estado independente de facto, um estado nos fundamentos constitucionais e legais mais modernos e avançados. É difícil hoje, quando nosso estado é nossa herança padrão, entender como nossos ancestrais se sentiram sem um estado por séculos e compreender a força de seu anseio por liberdade e independência. Pelo menos nesta grande festa, lembrando todos aqueles que deram suas vidas pela Sérvia, devemos lembrar que contando pouco, mas na verdade, grandes nações como a nossa devem constantemente confirmar sua liberdade e independência e lutar por elas todos os dias.

A questão nacional

A reunião também se concentra em nossa questão nacional central, que é a questão de Kosovo e Metohija. Se tentarmos reconstruir o que poderia ter sido o foco ético do movimento insurgente em 1804, a única resposta possível é que é a memória de nosso Estado medieval e a Batalha de Kosovo como um ponto de viragem em nossa história. A ideia moderna de um Estado sérvio, além de ser baseada no sentimento de que os sérvios têm um lugar igual entre as nações da época, também se baseava em um rico sistema de valores que foi nutrido durante séculos pelos sérvios Igreja Ortodoxa e cultura popular. Os insurgentes de Karadjordje não se levantaram contra um império acreditando apenas em suas habilidades guerreiras e na força de suas armas – seus bolsos eram acima de tudo morais. Com força e fé na vitória, eles recorreram a uma fonte de Kosovo, determinados a restaurar o que foi perdido em Kosovo. Graças à sua igreja e à sua história, por mais poética que fosse e revestida com o espírito de uma lenda, os sérvios puderam lançar as bases do seu novo estado porque tinham algo em que construir. Portanto, ainda hoje, é importante que olhando para o futuro, para aquilo que queremos ser, não percamos de vista o nosso passado por um momento, porque não temos alicerces melhores nem mais fortes que os nossos ancestrais.

Amante da liberdade

A revolução sérvia é, para usar o termo de Ranke, em um sentido mais amplo, um período em que os sérvios percorreram um grande caminho histórico, embora não longo, desde o início da libertação nacional até a consolidação político-constitucional-legal do Estado. É por isso que este feriado entrelaça dois grandes princípios nacionais sérvios, aqueles que amam a liberdade e buscam a lei e a justiça. Esses valores foram continuamente herdados por nosso povo nos últimos dois séculos.

Além disso, nas figuras-chave da época, Karadjordje e Milos Obrenovic, duas concepções de construção do Estado foram personificadas. O primeiro é a combatividade e a prontidão para lutar pelo estado com armas, e o segundo está corporificado em Milos, político-diplomático. Ambos os princípios mudaram ao longo dos próximos dois séculos de nossa história, e aquele pelo qual éramos determinados pelas circunstâncias e pelo raciocínio do Estado prevaleceu. Ambos os princípios são opções legítimas de construção do Estado, mas hoje, depois de uma série de grandes mortes nacionais e sofrimentos na luta pelo Estado, herdamos, sobretudo, este princípio de Milos, porque a Sérvia deve lutar pelo seu lugar na Europa e no mundo neste momento. com sabedoria, paciência e planejamento estratégico.

Farol para Sérvios

É importante enfatizar que o Dia do Estado não é apenas um feriado sérvio. Sim, a revolução do início do século 19 foi sérvia, mas o estado que surgiu pertencia a todos aqueles que estavam prontos e desejosos de lutar por ela e construí-la. Vejamos apenas a Constituição de Sretenje, que reuniu as ideias políticas e jurídicas mais avançadas da época. Havia muito mais avançado e moderno nas disposições que regulam os direitos humanos naquela constituição, que parece que foram copiadas da Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão. Até hoje, o espírito cosmopolita e cívico da Constituição de Sretenje é parte integrante não só do nosso sistema jurídico, mas também do ser nacional. Ao mesmo tempo, a Sérvia é um Estado-nação, um farol para os sérvios onde quer que vivam, mas também um Estado civil avançado e bem-sucedido, no qual todos, independentemente de nação e religião, podem construir sua casa e igualmente buscar a felicidade.

Por último, gostaria de lembrar que a Constituição de Sretenje constitui a bandeira e o brasão da Sérvia, porque os legisladores sabiam que não há Estado sem esses símbolos. Por isso, gostaria que se estabelecesse entre os nossos cidadãos o costume de, neste grande dia, em que temos múltiplos motivos para nos orgulhar, os tricolores sérvios se destacar. A Sérvia não foi doada, nossos antepassados ​​lutaram e morreram por ela, e hoje devemos ter orgulho dela, amá-la e lutar por ela com a força de vontade, lealdade e perseverança dignas de nossos grandes antepassados, cientes de que estamos construindo com isto.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.