Ilham Aliyev e o desenvolvimento do Azerbaijão

Farhad Mammadov, encarregado de negócios do Azerbaijão, conversou com jornalistas brasileiros sobre os acontecimentos recentes em seu país. Ele esplicou que, sob a liderança do presidente Ilham Aliyev, a reputação internacional do Azerbaijão melhorou. “A autoridade azerbaijana em organizações internacionais está crescendo. Lideramos o segundo maior organismo internacional do mundo, o Movimento dos Países Não-Alinhados, há quase quatro anos. O Azerbaijão está liderando com dignidade. Nossa presidência foi prorrogada por mais um ano pelo voto unânime de 120 países”, destacou.

Conforme o diplomata, a posição do Azerbaijão como parceiro estratégico de nove estados membros da União Europeia faz da nação asiática um país importante para a Europa.

Centenário de Heydar Aliyev

Este ano, o Azerbaijão comemora o centenário de nascimento de Heydar Aliyev. Por isso, 2023 foi declarado o “Ano de Heydar Aliyev” por decreto do Presidente Ilham Aliyev, que sucedeu Heydar à frente do Poder Executivo.

“Ao longo de todo o ano muitos eventos foram e continuarão sendo realizados em nosso país e em várias partes do mundo. O Azerbaijão reverencia a memória de seu Grande Líder”, explicou o encarregado de negócios.

O legao de Haydar Aliyev é grendemente exaltado pois, durante o período em que o Azerbaijão integrou a URSS, entre 1969 e 1982, ele faz com que seu país tivesse grandes avanços. O potencial industrial e econômico do Azerbaijão independente foi estabelecido naqueles anos.

“Heydar Aliyev fez contribuições inigualáveis como presidente do Azerbaijão independente. Hoje, o país está avançando com sucesso no caminho que ele traçou. Sua contribuição foi mais ampla que as reformas econômicas. Ele desempenhou um papel imenso na proteção dos valores nacionais e morais, na educação da geração mais jovem no espírito de patriotismo”, reforçou Farhad Mammadov.

Heydar Aliyev

Desenvolvimento econômico e estabilidade

Um dos melhores indicadores é que a economia do Azerbaijão aumentou mais de três vezes. Nos últimos 20 anos, nenhum outro país se desenvolveu economicamente tão rápido quanto o Azerbaijão. As reservas cambiais atingiram U$ 65 bilhões, e a dívida externa está um pouco acima de 6 bilhões. Assim, as reservas cambiais excedem a dívida externa cerca de 10 vezes. A dívida externa representa apenas 10% por cento do PIB do Azerbaijão.

Mammadov reforça que a estratégia de petróleo de Heydar Aliyev deu ao país uma oportunidade de desenvolvimento, permitindo reconstruir Karabakh e Zangezur. O Contrato do Século, assinado em 1994, e o contrato do campo de gás de Shah Deniz, assinado em 1996, são nossos principais impulsionadores econômicos hoje. Todos podem ver como o gás do Azerbaijão é vital hoje. A importância geopolítica do nosso país aumentou significativamente. Hoje, o gás do Azerbaijão é transportado para seus países e, no futuro, cobrirá uma área ainda maior.

Atual presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev

Resolução de conflitos e restauração de territórios

A vitória na Segunda Guerra de Karabakh foi histórica para o Azerbaijão. Durante 30 anos, a Armênia teve posse daquelas terras, mas a vitória foi do Azerbaijão, que tinha a seu favor as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre o antigo conflito de Nagorno-Karabakh. As reivindicações territoriais armênias geraram o deslocamento de mais de 1 milhão de cidadãos azerbaijanos que viviam ali.

A situação mudou em 2020 quando, sob a liderança do presidente Ilham Aliyev, o exército do país retomou as terras que historicamente pertenciam ao Azerbaijão e que foram arrasadas pelos ocupantes. “Não é por acaso muitos observadores estrangeiros que visitaram a região após os 44 dias da Guerra Patriótica ficaram impressionados e chamaram os lugares que viram de “cidades-fantasma” e “Hiroshima do Azerbaijão”.

Em sua fala, o diplomata reforçou que o presidente Ilham Aliyev implementou o programa Grande Retorno, que prevê trabalhos de restauração em larga escala nos territórios libertados da ocupação e o retorno de ex-refugiados às suas casas. O governo investiu mais de $ 6,6 bilhões nos últimos três anos na restauração desses territórios libertados da ocupação armênia.

Vistas da cidade de Aghdam, no Azerbaijão, após 30 anos de ocupação armênia

Fundação Haydar Aliyev

O processo de reconstrução das terras libertadas é complexo. O Azerbaijão mostrou como o templo de ocupação armênia, ao longo de três décadas, destruiu cidades, edifícios residenciais e administrativos, e todas as infraestruturas aí existentes. Os recursos naturais foram saqueadoe e os monumentos religiosos, culturais e históricos neses territórios, vandalizados. Por isso, o trabalho de reconstrução, capitaneado pela Fundação Haydar Aliyev.

Sede da Fundação

Democracia e liberdade de imprensa

Outro aspecto destacado na conversa com jornalistas brasileiros foi a plena democracia do Azerbaijão, caracterizada, entre outras coisas, pela liberdade de imprensa. Em julho de 2023, o país sediou o Fórum Global de Mídia, na cidade de Shusha, que teve como tema “Novas Mídias na Era da 4ª Revolução Industrial”.

Estiveram presentes mais de 250 pessoas, de mais de 50 países do mundo, incluindo representantes de Estado, órgãos de imprensa, estruturas públicas, comunidades empresariais, organizações internacionais, cientistas e especialistas. O fórum abordou desafios da mídia contemporânea, incluindo o impacto da inteligência artificial no jornalismo. Durante os três dias de debate, ocorreram debates visando o fortalecimento das capacidades nacionais, o desenvolvimento da colaboração internacional e os desafios da desinformação e notícias falsas.

O assessor do presidente do Azerbaijão, Hikmet Hajiyev, marcou o 148º aniversário da imprensa do Azerbaijão – estabelecida em 22 de julho de 1875 – com felicitações a todos os jornalistas. Ele também falou sobre a importância de informações baseadas em dados, rápidas, precisas e concisas, destacando que a mídia social pressiona a mídia tradicional.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.