Embaixador da Itália no Brasil, Francesco Azzarello, abre as comemorações do Dia Internacional o Lixo Zero

O embaixador da Itália no Brasil, Francesco Azzarello, abriu, nesta terça-feira (28), as comemorações do Dia Internacional o Lixo Zero, na sede diplomática, em Brasília. Foram promovidas uma série de iniciativas com temática ambiental para mais de 100 alunos de ensino fundamental de escolas públicas e particulares do Distrito Federal. Eles participaram de uma visita guiada na área de compostagem e na horta orgânica e assistiram uma palestra com a realização de atividades lúdicas sobre uma correta gestão dos resíduos sólidos. O momento contou, também, com uma apresentação da peça “O Garizito”, realizada pelo grupo de teatro do SLU (Serviço de Limpeza Urbana) do Distrito Federal.

O evento seguiu com a cerimônia de “Recertificação Lixo Zero” da embaixada da Itália. A sede diplomática é primeira e única de qualquer nacionalidade a obter a certificação Lixo Zero, será novamente contemplada com a importante atestação de impacto ambiental mínimo das suas atividades, ao deixar de enviar 97% de seus resíduos sólidos ao aterro sanitário. Resultados bem similares também foram alcançados na construção do novo prédio da Chancelaria consular, onde quase 92% dos resíduos de material de construção foram desviados do aterro sanitário e destinados para cooperativas e empresas parceiras que os trataram de forma ambientalmente correta. Por esta razão, a obra da nova Chancelaria consular receberá a Certificação Lixo Zero na mesma ocasião.

O embaixador da Itália, Francesco Azzarello, disse estar particularmente satisfeito por poder celebrar esta ocasião que, agora também graças à ONU, estabelece um desafio e um compromisso fundamentais, em que a Embaixada, já há alguns anos, se destaca por seu pioneirismo, inovação e objetivos alcançados. “Temos orgulho de ser uma referência no setor e consideramos importantíssimo divulgar as boas práticas, através dos espaços de educação ambiental ativa que reservamos constantemente aos jovens alunos das escolas da região”.

O movimento Lixo Zero possui uma grande força na Itália que é o país referência mundial onde atualmente existe a maior quantidade de municípios Lixo Zero no mundo. “Nossa gestão de resíduos sólidos atualmente ocupa a primeira posição europeia, com uma taxa de reciclagem geral de 83% dos resíduos produzidos”, informou o diplomata.  

   

 

Segundo o embaixador italiano, o trabalho feito na sede diplomática garante que quase 100% dos resíduos orgânicos gerados sejam destinados às composteiras, cujo produto final é utilizado como fertilizante nos jardins e na horta orgânica da própria embaixada. “Ainda não estamos satisfeitos: continuamos implementando novas medidas voltadas à sustentabilidade ambiental com o intuito de diminuir o resíduo produzido aqui e mitigar o nosso impacto no meio ambiente”, afirmou Azzarello.

ONU – A Assembleia Geral das Nações Unidas no ano passado proclamou 30 de março como o Dia Internacional do Lixo Zero, a ser observado anualmente a partir de 2023. As iniciativas de lixo zero buscam promover uma boa gestão de resíduos e minimizar e prevenir o desperdício. Isto contribui para reduzir a poluição, mitigar a crise climática, conservar a biodiversidade, aumentar a segurança alimentar e melhorar a saúde humana.

Para o evento, foram convidadas autoridades político-institucionais a nível federal e distrital, assim como empresas e entes setoriais. Entre os presentes estava Katyna Argueta, Representante Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, agência especializada das Nações Unidas que tem trabalhado com o Ministério do Meio Ambiente brasileiro em uma série de iniciativas ambientais.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.