Embaixada do Cazaquistão comemora 30 anos de Relações Diplomáticas com o Brasil

O embaixador do Cazaquistão Bolat Nussupov recepcionou convidados na celebração dos 30 anos de Relações Diplomáticas entre seu país e o Brasil. Estavam presentes no evento, realizado na sede da embaixada, diversos membros do corpo diplomático acreditado em Brasília, autoridades brasileiras, jornalistas, empresários e amigos do Cazaquistão. O Ministério das Relações Exteriores foi representado pelo embaixador Eduardo Paes Saboia, Secretário de Ásia e Pacífico.

Em seu discurso, o embaixador Nussupov lembrou que o Cazaquistão tem crescido muito rapidamente durante o governo do presidente Kassym-Jomart Tokayev. Destacou ainda as fortes relações bilaterais do Cazaquistão com o Brasil, seu principal parceiro comercial na América Latina.

“O Brasil é um parceiro-chave do Cazaquistão. Foi estabelecido uma forte comunicação e a cooperação econômica está evoluindo ativamente. Celebramos hoje o 30º aniversário das relações diplomáticas. Temos vários marcos nesse tempo, como os grupos de amizade Brasil-Cazaquistão no Congresso, a criação do Conselho Empresarial, a realização do Fórum Brasil-Cazaquistão e o estabelecimento de consulados honorários em São Paulo e Santa Catarina”, destacou Nussupov.

Relações bilaterais fortalecidas

Desde que assumiu o posto, o diplomata cazaque vem trabalhando para aumentar o volume de comércio e expandir a gama de produtos negociados entre os dois países. No final do ano passado, o volume de negócios entre Brasil e Cazaquistão mais do que dobrou e atingiu 364,2 milhões de dólares.

O Cazaquistão quer ser visto como uma “ponte” para as exportações brasileiras, ligando os grandes mercados da China e do Sul da Ásia, além de Rússia e Europa Ocidental por rodovia e ferrovia. Nesse sentido, o papel do corredor transnacional e do porto de Kuryk, no Mar Cáspio, é muito importante.

Além disso, o Cazaquistão está interessado em desenvolver a cooperação com o Brasil no setor de mineração, levando em conta o potencial existente e a experiência dos dois países. O Eurasian Resources Group, empresa da mineração cazaque, está implementando o projeto Bamin na Bahia, no valor de 2,6 bilhões de dólares.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.