Declaração do Ministério das Relações Exteriores da República do Azerbaijão

Em 27 de setembro de 2020, as Forças Armadas da Armênia, violando flagrantemente o regime de cessar-fogo, lançaram outra agressão contra o Azerbaijão, bombardeando intensamente as posições das Forças Armadas do Azerbaijão ao longo da linha de frente, bem como as aldeias de Qapanli do distrito de Terter, Chiragli e Orta Garavend do distrito de Aghdam, Alkhanli e Shukurbeyli do distrito de Fizuli e Jojuq Merjanli do distrito de Jabrayil, usando armas de grande calibre, lançadores de morteiros e artilharia.
Segundo informações do Ministério da Defesa, há relatos de mortos e feridos entre civis e militares. Danos extensos foram causados a casas e infra-estrutura de civis.

A fim de prevenir outra agressão militar por parte da Armênia e garantir a segurança de áreas residenciais de civis densamente povoadas, as Forças Armadas da República do Azerbaijão empreendem medidas contra-ofensivas dentro do direito de legítima defesa e em total conformidade com o Direito Internacional Humanitário.

Outra agressão da Armênia contra o Azerbaijão é uma violação flagrante das normas e princípios fundamentais do Direito Internacional, do Direito Internacional Humanitário, incluindo as Convenções de Genebra de 1949 e seus Protocolos Adicionais, bem como as resoluções 822, 853, 874 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, 884 de 1993 exigindo a retirada imediata e incondicional das Forças Armadas da Armênia dos territórios ocupados do Azerbaijão.

O novo ato de agressão da Armênia contra o Azerbaijão é uma continuação das últimas provocações do lado armênio, incluindo a tentativa de um ataque armado na direção da região de Tovuz nos dias 12-16 de julho de 2020, a provocação do grupo de sabotagem-reconhecimento no direção da região de Goranboy, a política de assentamento ilegal nos territórios ocupados do Azerbaijão, bem como as declarações e atividades provocativas da liderança armênia.

Estamos bem ciente do fato de que a presença ilegal das forças armadas da Armênia em Nagorno-Karabakh e nas regiões vizinhas do Azerbaijão que estão sob ocupação é uma séria ameaça à paz e segurança regional e demonstra a posição de princípio baseada nas normas e princípios do direito internacional sobre a agressão da Armênia contra o Azerbaijão e suas atividades ilegais, a comunidade internacional deve condenar veementemente a política de agressão e atividades provocativas da Armênia contra o Azerbaijão e forçar a Armênia a cumprir o direito internacional, incluindo seus compromissos sob o direito humanitário internacional.

A responsabilidade total pela situação atual recai sobre a liderança político-militar da Armênia.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.