As duas Coreias assinaram nesta quarta-feira  um histórico acordo militar que reduz a possibilidade de confrontos entre seus respectivos exércitos ao redor da fronteira que compartilham.

Coreia do Norte e Coreia do Sul assinaram um acordo na área de defesa, bem como uma declaração conjunta após os resultados da cúpula em Pyongyang. O acordo na esfera militar foi assinado pelo ministro da Defesa sul-coreano, Song Young-moo, e pelo ministro das Forças Armadas Populares da Coreia do Norte, No Kwang Chol, na presença dos líderes dos dois Estados.

De acordo com a declaração conjunta dos líderes, a Coreia do Norte decidiu desmantelar completamente seu polígono de testes de mísseis em Tonchkhan-ni e permitirá que observadores internacionais visitem as instalações.
O comunicado também afirma que a Coreia do Norte vai desmantelar seu reactor nuclear em Yonbyon, no âmbito dos acordos com os Estados Unidos.  Após a reunião, o líder norte-coreano prometeu visitar Seul em breve.

Ele  afirmou que ambas as nações concordaram em fazer esforços para desnuclearizar a península.   Por outro lado, o presidente sul-coreano disse que Seul e Pyongyang concordaram em remover a ameaça da guerra na península coreana.  A declaração conjunta também garantiu que os trabalhos para conectar as estradas e ferrovias das duas nações começariam antes do final do ano.  Seul e Pyongyang.

Os líderes também concordaram em enviar equipes conjuntas para os Jogos Olímpicos de 2020, bem como apresentar uma proposta conjunta para sediar os Jogos Olímpicos de 2032.  A reunião dos líderes das nações aconteceu na quarta-feira, em formato privado. As delegações dos líderes aguardavam o fim da conversa no corredor.

Na semana passada o Embaixador da Coreia do Sul, se reuniu em Brasília em um jantar para jornalistas internacionais e comunicou á imprensa que fatos relevantes estavam por acontecer e sugeriu que acompanhássemos o  assunto. O Brasília in Foco estava presente e continuará  publicando sobre o assunto  com informações direto da Fonte.