Artigo de Kassym-Jomart Tokayev, Presidente da República do Cazaquistão

Por que o Cazaquistão está sediando o Fórum Internacional de Astana este ano

7 de fevereiro de 2023

No mundo cada vez mais polarizado, o Cazaquistão desempenha frequentemente o papel de ponte entre Oriente e Ocidente, Norte e Sul. Este é um produto de nossa história e geografia únicas. Durante séculos, o Cazaquistão tem sido um ponto de encontro entre culturas, promovendo não apenas a diversidade entre nossas etnias, mas um verdadeiro espírito de respeito mútuo. É por isso que o valor da cooperação global vem naturalmente para nós. É neste espírito que construímos nossa política externa multivetorial, que nos tem servido bem por muitos anos.
Diante dos desafios globais, continuamos comprometidos com a cooperação global, defendendo o diálogo, o comércio, o multilateralismo e a troca de idéias. Continuaremos a defender o direito internacional e buscaremos um engajamento construtivo com as nações do mundo inteiro. Neste contexto, lançamos o Fórum Internacional de Astana, uma nova conferência internacional que será uma ferramenta para a reconstrução de uma cultura do multilateralismo em nível global. Mais importante ainda, o Fórum também fornecerá novos meios para ampliar as vozes que muitas vezes são minimizadas.
O Fórum Internacional de Astana é único porque fornece uma plataforma para que as potências globais discutam suas opiniões e posições sobre questões atuais e apresentem suas próprias soluções para essas questões.
O primeiro desafio que abordaremos no fórum diz respeito à política externa, segurança e sustentabilidade. Todos sabemos que a paz e a estabilidade globais estão atualmente ameaçadas pelas tensões entre as principais potências mundiais. Enquanto isso, outras questões internacionais, como o desarmamento nuclear e a crise dos refugiados, continuam a pressionar os sistemas e alianças internacionais instáveis. Além disso, a ascensão do nacionalismo e dos movimentos populistas em muitos países continua complicando as relações internacionais, tornando mais difícil encontrar uma base comum em questões que exigem uma resposta global coordenada, e estamos enfrentando um risco crescente de recorrer a soluções insustentáveis de curto prazo para problemas de longo prazo. É por isso que é importante nos reunirmos no Fórum – para ajudar a nos colocar no rumo certo para proteger nosso futuro coletivo.
O segundo desafio que requer coordenação global é a mudança climática. Suas consequências têm um impacto devastador sobre o planeta, com a elevação do nível do mar, eventos climáticos extremos e perda da biodiversidade, tudo isto causando seus efeitos. Ao mesmo tempo, a dependência mundial dos combustíveis fósseis torna cada vez mais difícil reduzir as emissões de gases de efeito estufa e enfrentar a mudança climática. Por outro lado, não podemos ignorar o papel crítico da indústria de petróleo e gás para garantir a segurança energética e a transição energética. A transição energética é uma questão complexa que deve ser abordada com cautela para garantir que o mundo em desenvolvimento não seja deixado para trás.
Finalmente, a pandemia COVID-19 levou a uma forte desaceleração econômica global, com muitas nações, empresas e indivíduos lutando para se manterem à tona. Além disso, a crescente desigualdade de renda e as contínuas tensões comerciais entre as principais potências mundiais também estão causando instabilidade na economia global. O terceiro desafio se concentra na economia e nas finanças, destacando a necessidade de uma resposta global coordenada a esses desafios econômicos, ambientais e de segurança.
Apesar de que estes desafios possam parecer assustadores, eles também podem ser vistos como oportunidades de cooperação e progresso global. Ao trabalhar em conjunto, a comunidade internacional pode abordar estas questões no Fórum Internacional de Astana e contribuir para um mundo mais estável, equitativo e próspero para todos.
Espero receber os líderes globais dos setores público e privado no Fórum Internacional de Astana neste verão para identificar soluções práticas para estes desafios. Vamos nos reunir para encontrar um novo caminho através de uma cooperação global forte e inclusiva.

O autor é Kassym-Jomart Tokayev, o Presidente da República do Cazaquistão

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.