Agricultura familiar brasileira vai fortalecer Programa Mundial de Alimentos da ONU

Estima-se que cerca de 800 milhões de pessoas passem fome no mundo

O ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, deu prosseguimento às tratativas por uma aliança global contra a fome, desafio prioritário do Brasil durante a presidência do G20. Esta semana, uma equipe do Ministério dialogou com o diretor do Centro de Excelência do Programa Mundial de Alimentos (PMA) no país, Daniel Balaban, por um acordo para a compra da produção da agricultura familiar brasileira.

E o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que adquire a produção dos agricultores familiares para distribuir a entidades socioassistenciais e equipamentos públicos, proporciona essa experiência com compras públicas aos participantes.

“Acertamos a realização conjunta de um curso para qualificar os pequenos produtores para acessarem a venda de alimentos ao PMA. Veja, eles já vendem para o PAA, para a alimentação escolar. Por que não para o PMA? É garantir que a gente tenha condições de um acordo de cooperação que permita vários outros passos dentro dessa integração”, detalhou Wellington Dias.

Estima-se que cerca de 800 milhões de pessoas passem fome no mundo e o Brasil, como um dos maiores produtores de alimentos do planeta, pode auxiliar ainda mais no combate à fome para além de suas fronteiras.
“O Brasil, como grande produtor de alimentos, principalmente pelos pequenos agricultores familiares que têm uma produção enorme, tem uma função que pode ser também ajudar a acabar com a fome no planeta”, opinou Daniel Balaban.

A ideia é fazer com que os pequenos agricultores brasileiros se insiram no processo de venda de alimentos ao PMA, “para ajudar outras nações que estão passando por conflitos, por problemas climáticos, que não têm alimentos e que possam se alimentar com produtos de agricultores familiares do Brasil”, prosseguiu o diretor do PMA no país.

O PMA disponibiliza alimentos a aproximadamente 180 milhões de pessoas ao redor do planeta, em todas as regiões, diariamente, conforme informou Daniel Balaban. “Então, precisamos de muito mais, precisamos alimentar muito mais pessoas, porque são quase 800 milhões de pessoas, que infelizmente precisam desses alimentos. Nós queremos expandir, alimentar mais pessoas. E o papel do Brasil é fundamental para que nós possamos agir e salvar vidas ao redor do planeta”, destacou.

O acordo se insere no contexto dos esforços brasileiros, que em 2024 exerce a presidência do G20, grupo que reúne as maiores economias do planeta, por uma aliança global contra a fome, pela redução da pobreza, por mais igualdade e pela redução dos impactos das mudanças climáticas.

“Imagine a gente, em breve, poder dizer que o que é produzido por agricultores familiares no Brasil, agricultoras e agricultores que estão no Bolsa Família, no Cadastro Único, está alimentando pessoas em situação de guerra ou atingidas por um terremoto, por exemplo”, projetou o ministro Wellington Dias.

As informações são do MDS.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.