Itália: trabalhadores em escolas e segurança terão vacina obrigatória

O governo de Roma quer convencer os 6 milhões de italianos que ainda dizem “não” à vacina contra a covid-19 a receber o imunizante. Quem trabalha em escolas e forças de segurança e não apresentar o certificado de vacinação vai ficar sem salário.

Neste momento, os italianos já usam o certificado de vacinação para andar de transportes públicos, entrar em hotéis e frequentar a maior parte dos estabelecimentos.

As novas regras pretendem evitar uma evolução negativa da pandemia e, ao mesmo tempo, não comprometer a época natalina.

A partir de hoje, a Itália volta a exigir também um teste negativo de covid-19 a todas as pessoas procedentes de países da União Europeia. Os não vacinados têm ainda de fazer uma quarentena de cinco dias.

Fonte: Agencia Brasil

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.