Brigadistas brasileiros e americanos trocam conhecimentos para combate a incêndios florestais

Consideradas invasoras e até propagadoras de fogo, as árvores das espécies pinus e eucalipto requerem maior atenção com a chegada do período de seca. Ciente dessa questão e dos alertas para incêndios em todo o país, o Jardim Botânico de Brasília (JBB) sedia um curso para brigadistas aperfeiçoarem o manejo do fogo em diferentes biomas do Brasil.

“Essa ação vai se refletir não só em âmbito distrital, mas também no federal. Vai ser fundamental para conservação do Cerrado e outras fitofisionomias e biomas do país. No Brasil, a gente não tinha como expertise esse tipo de utilização de equipamento para abertura de linhas de defesa”

Diego Miranda, gerente de preservação e combate a incêndio do Jardim Botânico de Brasília

O diferencial desse curso é o uso de motosserra e motobombas, concentradas no combate ao fogo. O objetivo é que os equipamentos possam ser utilizados de forma estratégica em operações de combate aos incêndios, assim como já ocorre em outras partes do mundo, a exemplo dos Estados Unidos.

A parte prática é executada dentro do Jardim Botânico, local que já prevê a retirada das espécies invasoras. O curso de S-212 – Motosserra para Incêndios Florestais começou em 2 de julho e segue até este sábado (6). Nos dias 9 e 10 de Julho será a vez do Workshop de Motobomba.

A oferta é fruto de uma parceria entre a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), o Serviço Florestal Norte-Americano, o Ibama Prevfogo, a Funai e outras instituições do DF, como o Corpo de Bombeiros, Instituto Brasília Ambiental e o próprio Jardim Botânico. Cerca de 30 brigadistas de diversas partes do Brasil, como Tocantins, Maranhão e de comunidades tradicionais e povos originários, participam das aulas.

O curso de S-212 – Motosserra para Incêndios Florestais começou no último dia 2 e segue até este sábado (6). Nos dias 9 e 10 de julho será a vez do Workshop de Motobomba | Fotos: Matheus H. Souza/Agência Brasília

Um dos envolvidos no processo é o gerente de preservação e combate a incêndio do Jardim Botânico de Brasília, Diego Miranda. Ele é formado neste curso e atua como monitor este ano. Diego avalia que, além da capacitação dos servidores e do corpo efetivo e dos brigadistas, o curso serve para que as equipes utilizem os equipamentos de motosserra com mais segurança e objetividade, visando também a conservação do meio ambiente com a retirada de espécies invasoras e exóticas que são biocombustíveis. Segundo o especialista, este é um fator determinante para incêndios florestais.

Cerca de 30 brigadistas de diversas partes do Brasil, como Tocantins e Maranhão, e de comunidades tradicionais e povos originários participam das aulas

“Essa ação vai se refletir não só em âmbito distrital, mas também no federal. Vai ser fundamental para conservação do Cerrado e outras fitofisionomias e biomas do país. No Brasil, a gente não tinha como expertise esse tipo de utilização de equipamento para abertura de linhas de defesa”, ressalta.

Habilidades

Os brigadistas aprendem a progressão das habilidades usando a motosserra e, ao final do curso, há um módulo para cortar na linha de fogo e técnicas específicas usadas para isso nos Estados Unidos da América (EUA).

O instrutor líder do curso é o norte-americano Christopher Mark Ivesedo, do Serviço Florestal dos EUA. Ele também é capitão do Hot Shots, um grupo de bombeiros no Arizona, e destaca que a formação é uma excelente maneira de compartilhar conhecimento, pois há muitas habilidades e técnicas que são usadas no Brasil que podem beneficiar os Estados Unidos e vice-versa.

O diferencial desse curso é o uso de motosserra e motobombas, concentradas no combate ao fogo. O objetivo é que os equipamentos possam ser utilizados de forma estratégica em operações de combate aos incêndios, assim como já ocorre em outras partes do mundo, a exemplo dos Estados Unidos

“O governo do Brasil e as agências de gestão daqui têm sido muito apoiadores em fazer um ambiente de aprendizagem e ensinamento para nós caminharmos facilmente, nos apoiando com equipamentos e todas as outras coisas necessárias para efetivamente fazer um curso. E os estudantes têm mostrado muita vontade de aprender e compartilhar conhecimentos. Isso nos ajuda a ser mais universais em fazer nosso trabalho, além de entender e trocar com outras culturas”, declara Chris.

Para o brigadista do Brasília Ambiental, Thyago Dantas, o curso é de suma importância para a atuação no DF. “Nos EUA eles usam há muito tempo de forma contínua, então é importante que a gente adapte essa realidade para a nossa. Era um curso que eu já tinha vontade de fazer porque em todos os parques existe necessidade, seja tirando essas espécies invasoras, no desbloqueio de estradas ou na manutenção do parque em geral. Poder ter acesso a esse conhecimento e passar para os meus companheiros é muito gratificante”, ressalta.

A parte prática é executada dentro do Jardim Botânico, local que já prevê a retirada das espécies invasoras

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A chefe da divisão de prevenção do Prevfogo Ibama, Paula Mochel, reforça que, cada vez mais, os brasileiros têm sido chamados para atuarem em combates em outros países como Estados Unidos, Canadá, Chile e Espanha – o que intensifica a importância de que haja uma padronização na capacitação dos brigadistas para atuar em um corpo único. “Ter esse intercâmbio é extremamente importante por causa disso, a gente está aprendendo a lidar com máquinas e equipamentos que são utilizados em outros países e cedidos no local onde vamos combater”, observa.

Dois problemas, uma solução

O curso aproveita para eliminar outro problema além dos incêndios florestais que assolam o Cerrado: espécies com potencial invasor. De acordo com a diretora de vegetação e flora do Jardim Botânico de Brasília, Priscila Oliveira, o projeto treina as equipes envolvidas, principalmente do JBB, a fazer o corte das espécies exóticas como os pinheiros – onde é necessário saber a altura do corte, direcionar a queda ou se precisa tirar os galhos primeiro.

No Jardim Botânico são cerca de 30 hectares de pinheiros que as equipes precisam retirar, ação prevista no plano de manejo do local e também na instrução normativa do Ibram número 409/2018. A retirada dos pinheiros do local está com tratativas avançadas, com um pedido que foi reforçado após a queda de uma árvore aparentemente saudável em abril deste ano.

“Essas plantas não têm pragas que consigam conter o crescimento acelerado delas. São competidoras muito mais árduas por recurso e espaço e tomam o espaço das plantas com muita facilidade”, explica Priscila.

Ela exemplifica que uma espécie de pinos em seis ou sete anos já tem cinco metros de altura, enquanto no mesmo período uma espécie de Cerrado não passa de trinta centímetros. “É um consumo muito grande de espaço, recursos e água que preocupa muito a gente. Além da diminuição da biodiversidade, porque quanto mais espaço ela toma, menor é a biodiversidade que ocupa aquela área. Ela solta uma resina que não deixa outras espécies se desenvolverem onde ela está presente”, acrescenta a gestora.

O especialista em manejo integrado do fogo do serviço florestal dos EUA e representante do povo indígena Xerente de Tocantins, Pedro Paulo Xerente, deixa um alerta para a população brasiliense, prestes a enfrentar os períodos de seca. “Combater incêndios florestais é uma atividade com um grau de dificuldade extremo. É muito quente e com muita vegetação que favorece a disseminação dos incêndios. Então, é importante que a população tome bastante cuidado com qualquer tipo de ação que envolve fogo e contate profissionais capacitados para evitar incidentes”.

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.