Artigo por Brajendra Navnit, Embaixador e Representante Permanente da Índia na OMC

A ciência entregou, a OMC entregará?

Proposta de isenção do TRIPS da Índia, África do Sul e outros membros

Uma proposta feita por Índia, África do Sul e outros oito países, pede à Organização Mundial do Comércio (OMC) que isente os países membros da aplicação de algumas patentes e outros direitos de Propriedade Intelectual (IP) sob o Acordo da Organização sobre Aspectos Relacionados ao Comércio dos Direitos de Propriedade Intelectual, conhecido como TRIPS, por um período limitado de tempo. Isso é para garantir que os Direitos de Propriedade Intelectual não restrinjam o rápido aumento da produção de vacinas e tratamentos contra a COVID-19. Embora alguns membros tenham manifestado preocupações sobre a proposta, uma grande porção dos membros da OMC a apoiam. Ela também recebeu o apoio de várias organizações internacionais, de agências multilaterais e da sociedade civil global.

Tempos sem precedentes exigem medidas não ortodoxas. Vimos isso na eficácia de bloqueios rígidos por um período limitado, como uma intervenção política, na redução da propagação da pandemia. O Fundo Monetário Internacional (FMI), em sua edição de outubro de 2020 do World Economic Outlook, declarou “[…] no entanto, o risco de resultados de crescimento piores do que o projetado permanece considerável. Se o vírus ressurgir, o progresso nos tratamentos e vacinas for mais lento do que o previsto, ou o acesso dos países a eles permanecer desigual, a atividade econômica pode ser menor do que a esperada, com renovado distanciamento social e bloqueios mais rígidos”. A situação parece ser mais sombria do que o previsto, já perdemos 7% da produção econômica do cenário de base projetado em 2019. Isso se traduz em uma perda de mais de US$ 6 trilhões do PIB global. Mesmo uma melhoria de 1% no PIB global em relação ao cenário de base adicionaria mais de US$ 800 bilhões à produção global, compensando a perda certa de uma ordem muito menor para um setor da economia por conta da Isenção.

Meramente um sinal para garantir acesso oportuno e acessível a vacinas e tratamentos, a isenção funcionará como um grande impulsionador da confiança para o reavivamento da demanda na economia. Com o surgimento de vacinas bem-sucedidas, parece haver alguma esperança no horizonte. Mas como isso se tornará acessível e economicamente viável para a população global? A questão fundamental é se haverá uma quantidade suficiente de vacinas contra a COVID-19 para todos. Do jeito que as coisas estão, mesmo os cenários mais otimistas de hoje não podem garantir o acesso às vacinas e tratamentos contra a COVID-19 para a maioria da população, tanto nos países ricos quanto nos pobres, até o final de 2021. Todos os membros da OMC concordaram que há uma necessidade urgente de aumentar a capacidade de fabricação de vacinas e tratamentos para atender às enormes necessidades globais. A proposta de isenção do TRIPS busca atender a essa necessidade, garantindo que as barreiras de propriedade intelectual não impeçam esse aumento da capacidade de fabricação.

Porque as flexibilidades existentes no Acordo TRIPS não são suficientes

As flexibilidades existentes no âmbito do Acordo TRIPS não são adequadas, pois não foram elaboradas tendo pandemias em mente. As licenças compulsórias são emitidas país a país, caso a caso e produto a produto, onde cada jurisdição com um regime de propriedade intelectual teria que emitir licenças compulsórias separadas, praticamente tornando a colaboração entre os países extremamente onerosa. Embora encorajemos o uso das flexibilidades do TRIPS, as mesmas são demoradas e complicadas de implementar. Portanto, apenas seu uso não pode garantir o acesso oportuno a vacinas e tratamentos acessíveis. Da mesma forma, não vimos um progresso muito encorajador no Covid19-Technology Access Pool da OMS ou na iniciativa C-TAP, que incentiva a contribuição voluntária de propriedades intelectuais, tecnologia e dados para apoiar o compartilhamento global e aumento da produção de COVID-19 Produtos médicos. Licenças voluntárias, mesmo quando existem, são envoltas em segredo. Seus termos e condições não são transparentes. Seu escopo é limitado a quantias específicas ou para um subconjunto limitado de países, encorajando, assim, o nacionalismo ao invés da verdadeira colaboração internacional.

Por que é necessário ir além das iniciativas de cooperação global existentes?

As iniciativas de cooperação global, como o Mecanismo COVAX e o Acelerador ACT, são inadequadas para atender às enormes necessidades globais de 7,8 bilhões de pessoas. A iniciativa A-ACT visa obter 2 bilhões de doses de vacinas até o final de 2021 e distribuí-las de forma justa em todo o mundo. Com um regime de duas doses, no entanto, isso cobrirá apenas 1 bilhão de pessoas. Isso significa que mesmo que o A-ACT seja totalmente financiado e bem-sucedido, o que não é o caso atualmente, não haveria vacinas suficientes para a maioria da população global.

Experiência anterior

Durante os primeiros meses da atual pandemia, vimos que as prateleiras foram esvaziadas por aqueles que tinham acesso a máscaras, EPIs, desinfetantes, luvas e outros itens essenciais contra a COVID-19, mesmo sem necessidade imediata. O mesmo não deve acontecer com as vacinas. Eventualmente, o mundo foi capaz de aumentar a fabricação de essenciais contra a COVID-19, pois não havia barreiras de propriedade intelectual impedindo isso. No momento, precisamos da mesma combinação de direitos de propriedade intelectual e know-how para ampliar a fabricação de vacinas e tratamentos, o que infelizmente não está acontecendo, sendo necessária a renúncia.

Foi a pandemia – um evento extraordinário que ocorre uma vez na vida – que mobilizou a colaboração de várias partes interessadas. São os conhecimentos e habilidades detidos por cientistas, pesquisadores, especialistas em saúde pública e universidades que possibilitaram as colaborações entre países e o enorme financiamento público que facilitou o desenvolvimento de vacinas em tempo recorde – e não apenas a propriedade intelectual!

Caminho a seguir

A proposta de isenção do TRIPS é uma resposta direcionada e proporcional à excepcional emergência de saúde pública que o mundo enfrenta hoje. Tal isenção está de acordo com as disposições do Artigo IX do Acordo de Marrakesh, o qual estabeleceu a OMC. Isso pode ajudar a garantir que vidas humanas não sejam perdidas por falta de acesso oportuno e barato às vacinas. A adoção da Isenção também iria restabelecer a credibilidade da OMC e mostrar que o sistema de comércio multilateral continua a ser relevante e pode oferecer resultados em tempos de crise. Agora é a hora de os membros da OMC agirem e adotarem a Isenção para salvar vidas e ajudar a colocar a economia de volta no caminho da recuperação rapidamente.

Embora disponibilizar as vacinas fosse um teste científico, torná-las acessíveis será um teste de humanidade. A história deve lembrar de nós pela “classificação AAA“, ou seja, para disponibilidade, acessibilidade e preço acessível de vacinas e tratamentos contra a COVID-19 e não por uma única “classificação A” apenas para disponibilidade. Nossas gerações futuras não merecem nada menos.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.