TURQUIA: chave da estabilidade no Oriente Médio e Balcãs?

Por: Leila Bijos

A Turquia possui um privilegiado território tanto na localização, quanto no tamanho. Sua posição geográfica a coloca como rota de passagem marítima e terrestre para acesso à Ásia e a Europa, além do completo domínio de dois dos mais importantes istmos do Mundo, Dardanelos e Bósforo. A dimensão do território 783 562 km², e o relevo de planalto com a presença de muitos vales férteis garantem, além de expressiva produção agrícola, acessibilidade por via terrestre, com uma considerável e moderna rede de transportes. O Oriente Médio, para fins de estudo, pode ser dividido em três áreas culturais distintas, a árabe, a turca e a persa. Essas influências culturais marcantes definem rivalidades pela hegemonia do pensamento e de influência naquela conturbada região. Compartilham entre si a religião e a liderança no mundo islâmico, com visões irreconciliáveis e ambições conflitantes. Os três polos, em distintas épocas foram o centro gravitacional de um grande império que dominou o Oriente Médio e expressiva parte do Mundo conhecido, conduzindo os destinos da maioria dos mulçumanos, em diferentes períodos.

Destes três polos de cultura, a Turquia mostra uma maior aproximação com o Ocidente, que se materializa por sua participação como membro da OTAN e parceiro estratégico dos Estados Unidos. A indústria de defesa nacional responde por mais de 70% das necessidades das Forças Armadas, que são modernas e bem equipadas. Atua intensamente em crises e conflitos regionais, como na Guerra da Síria, e se declara em guerra contra o terrorismo, combatendo particularmente o Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), tanto no Curdistão como em território Sírio.

Desponta como importante fornecedor de serviços de transporte e logística para toda a Europa e Ásia, com um surpreendente portfólio de cidades atendidas pela empresa de aviação Turkish Airlines. Atua decisivamente na construção civil com obras de grande dimensão e amplitude, que vão desde a construção de luxuosos resorts na Ásia até inovadores empreendimentos de infraestrutura de transportes como ferrovias, gasodutos, viadutos e rodovias transcontinentais. A Turquia, a despeito da crise política e econômica que viveu em 2018 demonstra, economicamente, um crescimento contínuo, e mantém uma posição independente, com uma agenda geopolítica própria. Os preceitos seculares e desenvolvimentistas, cunhados por Mustafá Paxá Ataturk como objetivos de governo, na década de 1930 ainda são observados e respeitados por todos os cidadãos. Ser cosmopolita e moderna ainda é atual na Turquia e o Islã convive, aparentemente, em equilíbrio com esses conceitos. A sociedade desenvolve após a morte de seu líder carismático um respeito incomparável para preservar o Pensamento desse líder multifacetado, estadista, militar competente e administrador criterioso, que lançou as bases de um moderno estado capitalista e empreendedor.

Figura 1 – Mapa da Turquia

A educação e o altruísmo são essenciais na análise da religiosidade e identidade nacional do povo turco. A vida começa às cinco horas da manhã em Istambul. A escuridão ainda guarda os mistérios e a beleza da milenar cidade, Sublime Porta do Oriente, quando um melancólico canto quebra o silêncio da madrugada ecoando no ar. É o chamado do mulá aos fiéis para a primeira oração do dia na Mesquita Azul. Logo, dos minaretes de cada uma das milhares de mesquitas existentes na cidade, os cânticos são emanados em uma profusão desconcertante, inebriando os sentidos e convidando a um ritual que se repete a mais de mil anos.

Em vários aspectos a Turquia é notável e bastante diferente de outros países com maioria muçulmana. Industrializado e bastante desenvolvido, ocupa uma posição peculiar como ponte natural entre a Europa e a Ásia. Sua história é tão antiga quanto à presença do homem no Oriente Médio inserido em civilizações organizadas. Entende-se que a civilização ancestral mais antiga da Turquia seria o Império Hitita, que ocupava a porção central da Anatólia. Sua língua e cultura influenciaram decisivamente as civilizações indo-europeias. Poderoso e agressivo, esse império conquistou grande parte do Oriente Médio no século II antes de Cristo (Só História, 2019). Ainda hoje a grandiosa história desse antigo império é referência e motivo de orgulho na Turquia.