Discurso do primeiro-ministro Narendra Modi na sessão inaugural do Raisina Dialogue 2021

Uma pandemia global assola o mundo há mais de um ano. A última pandemia global foi há um século. Embora a humanidade tenha enfrentado muitas doenças infecciosas desde então, o mundo hoje está mal preparado para lidar com a pandemia de COVID-19.

Nossos cientistas, pesquisadores e indústria responderam algumas perguntas:

Qual é o vírus?

Como ele se espalha?

Como podemos desacelerar a transmissão?

Como fazemos uma vacina?

Como administramos a vacina em escala e com rapidez?

Muitas soluções surgiram para essas e muitas outras questões. E, sem dúvida, muitas mais ainda estão por vir. Mas, como pensadores e líderes globais, devemos nos fazer mais algumas perguntas.

Há mais de um ano, as melhores mentes de nossas sociedades têm se empenhado no combate a essa pandemia. Todos os governos do mundo em todos os níveis estão tentando conter e controlar esta pandemia. Por que isso aconteceu? É talvez porque na corrida do desenvolvimento econômico a preocupação com o bem-estar da humanidade foi deixada para trás.

É, talvez, porque, na era da competição, o espírito de cooperação foi esquecido. As respostas a essas perguntas podem ser encontradas em nosso passado recente. Amigos, os horrores da primeira e da segunda guerra mundial forçaram o surgimento de uma nova ordem mundial. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, ao longo das décadas seguintes, muitas estruturas e instituições foram criadas, mas à sombra das duas guerras tinham como objetivo responder a apenas uma pergunta: como prevenir a Terceira Guerra Mundial?

Hoje, eu digo a vocês que essa foi a pergunta errada e, como resultado, todas as etapas realizadas foram como tratar os sintomas de um paciente sem abordar as causas subjacentes. Ou, em outras palavras, todas as medidas tomadas foram para evitar a última guerra, não a próxima. Na verdade, embora a humanidade não tenha enfrentado a Terceira Guerra Mundial, a ameaça da violência não diminuiu na vida das pessoas. Com uma série de guerras por procuração e ataques terroristas sem fim, a perspectiva de violência está sempre presente.

Então, qual seria a pergunta certa?

Poderiam ter incluído:

Por que temos fome?

Por que temos pobreza?

Ou, mais fundamentalmente,

Por que não podemos cooperar para resolver problemas que ameaçam toda a Humanidade?

Tenho certeza de que, se nosso pensamento fosse assim, soluções muito diferentes teriam surgido.

Amigos!

Ainda não é tarde demais. Os erros e más ações das últimas sete décadas não precisam restringir nosso pensamento para o futuro. A pandemia de COVID-19 nos apresentou uma oportunidade de reformular a ordem mundial, de reorientar nossos pensamentos. Devemos criar sistemas que abordem os problemas de hoje e os desafios de amanhã. E devemos pensar em toda a humanidade e não apenas naqueles que estão do nosso lado das fronteiras. A humanidade como um todo deve estar no centro dos nossos pensamentos e ações.

Amigos!

Durante esta pandemia, da nossa maneira humilde, dentro de nossos próprios recursos limitados, nós na Índia tentamos fazer o que falamos. Tentamos proteger nossos 1,3 bilhão de cidadãos da pandemia. Ao mesmo tempo, também tentamos apoiar os esforços de outras pessoas em resposta à pandemia. Em nossa vizinhança, encorajamos nossa resposta regional coordenada à crise. No ano passado, compartilhamos medicamentos e equipamentos de proteção com mais de 150 países. Compreendemos perfeitamente que a humanidade não vencerá a pandemia a menos que todos nós, em todos os lugares, independentemente da cor de nossos passaportes, saiamos dela. É por isso que, neste ano, apesar de muitas restrições, fornecemos vacinas para mais de 80 países. Sabemos que os suprimentos são modestos. Sabemos que as demandas são enormes. Sabemos que demorará muito até que toda a humanidade possa ser vacinada. Ao mesmo tempo, também sabemos que a esperança é importante. É importante tanto para os cidadãos dos países mais ricos quanto para os menos afortunados. E assim continuaremos compartilhando nossas experiências, nossa expertise e também nossos recursos com toda a Humanidade na luta contra a pandemia.

Amigos!

Enquanto nos reunimos virtualmente na Raisina Dialogue este ano, convido vocês a emergirem como uma voz poderosa para uma abordagem centrada no ser humano. Como dito em outro lugar, embora estejamos acostumados a ter o plano A e o plano B, não há planeta B, apenas o planeta Terra. E, portanto, devemos lembrar que mantemos este planeta meramente como fiduciários para nossas futuras gerações.

Vou deixar vocês com esse pensamento e desejo-lhes discussões muito produtivas nos próximos dias. Antes de concluir, desejo agradecer a todos os dignitários que estão acrescentando suas vozes a essas deliberações. Meus agradecimentos especiais a Suas Excelências, o Presidente de Ruanda e o Primeiro-Ministro da Dinamarca por sua valiosa presença nesta sessão de diálogo. Desejo também agradecer ao meu amigo, o Primeiro-Ministro da Austrália e ao Presidente do Conselho Europeu, que se juntará ao diálogo mais tarde.

Por último, mas não menos importante, minha imensa gratidão e os mais sinceros parabéns a todas as organizações. Eles fizeram um trabalho fantástico em organizar a Raisina Dialogue deste ano, apesar de todos os tipos de desafios.

Obrigado. Muito obrigado.

Nova Delhi

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.