Declaração do Ministério das Relações Exteriores da República do Azerbaijão

No: 355/20, Declaração do Ministério das Relações Exteriores da República do Azerbaijão sobre o ataque à cidade de Ganja do Azerbaijão pela Armênia com mísseis balísticos na noite de 17 de outubro de 2020 Na noite de 17 de outubro de 2020, por volta de 1h, as forças armadas da Armênia atacaram a cidade de Ganja, no Azerbaijão, com mísseis balísticos. Este é o terceiro consecutivo ataque brutal contra a segunda maior cidade do Azerbaijão, desde as novas agressões da Armênia contra o Azerbaijão se iniciou, situada longe da linha de frente, causando graves baixas civis; 12 civis, incluindo 2 menores mortos, e mais de 40 pessoas feridas.

O ataque deliberado e indiscriminado da Armênia contra a população civil do Azerbaijão é uma violação flagrante das normas e princípios do direito internacional, incluindo o direito internacional humanitário, bem como o cessar-fogo humanitário declarado, o assassinato proposital de pessoas pacíficas constitui um crime de guerra e um crime contra a humanidade e a liderança da Armênia tem total responsabilidade por este crime.

A agressão contínua da Armênia, os ataques cruéis contra os civis devem ser interrompidos e a comunidade internacional não deve fechar os olhos a esses atos desumanos da Armênia contra o povo do Azerbaijão. Condenamos da maneira mais veemente os ataques violentos da Armênia contra os civis do Azerbaijão e pedimos ao governo agressor da Armênia a parar com seus crimes de guerra.

A liderança político-militar da Armênia, usando o terror como política de Estado, tem a responsabilidade de dar a ordem para que o foguete bombardeie a população pacífica. A República do Azerbaijão declara que, com base nos mecanismos de direito nacional e internacional, os autores deste crime serão levados à justiça.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.