Artigo: Cazaquistão comemora o 75º aniversário da Grande Vitória sobre o fascismo – por Diana Taushova

Diana Taushova é Diplomata e Terceira Secretaria da Embaixada da República do Cazaquistão na República Federativa do Brasil

Nome imortal

Este ano, 9 de maio, comemoramos o 75º aniversário da Grande Vitória sobre o fascismo. Desde os primeiros dias da guerra no território do Cazaquistão, começou a formação de quarteis e unidades militares. Ao longo  da guerra, dos 6 milhões de 200 mil cazaquistneses, 1 milhão e 200 mil pessoas foram convocadas para o exército, além de 178 mil soldados que já serviam no Exército Vermelho, entre os quais homens e mulheres.

Pelas façanhas na Grande Guerra Patriótica, 100 mil cazaquistaneses foram premiados com medalhas, ordens e títulos, 500 pessoas receberam os títulos de Herói da União Soviética, 110 foram premiados com a Ordem da Glória de três graus. Mortos em batalhas, morreram de feridas e doenças, desapareceram e não retornaram do cativeiro 630 mil pessoas.

Um dos heróis da guerra de que nos orgulhamos e de quem nos lembramos é Rakhimzhan Koshkarbaev, que, juntamente com o soldado do Exército Vermelho Georgy Bulatov, foi o primeiro a içar a Faixa da Vitória sobre o Reichstag em 30 de abril de 1945. Em seu livro “Tempestade”, Rakhimzhan Koshkarbaev lembra que, atraves uma onda infalível de balas e fogo, dirigindo-se ao edifício principal da capital alemã, ele içou George Bulatov e, no auge do segundo andar, colocaram uma bandeira na qual escreveram com um lápis “674 regimento, 1 batalhão, Tenente Koshkarbayev, e soldado do Exército Vermelho Bulatov”. Ao contrário da realidade histórica, a história soviética não reconheceu as façanhas desses soldados jovens e dedicados, que o comando do regimento apresentou ao titulo de Herói da União Soviética. O título de heróis foi concedido ao russo Mikhail Egorov e ao georgiano Meliton Kantaria, que também ergueram a bandeira sobre o Reichstag, mas somente após a rendição alemã – 1 de maio de 1945. Sabe-se que o oficial soviético, o lendário comandante Bauyrzhan Momyshuly, foi a Moscou, se familiarizou com documentos sobre a colocação da bandeira da Vitória nos arquivos, intercedeu por Rakhimzhan Koshkarbayev, mas esses esforços não tiveram êxito. O estadista do Cazaquistão, o escritor Kakimzhan Kazybaev, encontrou documentos que comprovam o fato heróico da época e os publicou em publicações estrangeiras. O jornal “Kazakh Aedebietі” de abril de 2006 fornece um fato interessante de que o jornal americano The New York Times publicou uma notícia em 1º de maio de 1945 no artigo intitulado “A bandeira soviética tremula sobre o Reichstag”, que termina com as palavras que “As tropas soviéticas, tendo capturado Berlim, levantaram ontem sua bandeira no Reichstag.” Esse fato confirma a façanha cometido em 30 de abril de 1945, quando a bandeira apareceu no Reichstag, graças a Rakhimzhan Koshkarbayev e George Bulatov.

Em 7 de maio de 1999, pelo Decreto do Presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev, Rakhimzhan Koshkarbayev recebeu o título Khalyk Khaharmany (Herói do povo). Em 7 de maio de 2007, o Instituto de História Militar do Ministério da Defesa da Rússia confirmou oficialmente esse fato histórico. O documento correspondente foi entregue pelo candidato de ciências históricas Bulat Asanov como presente ao Museu Central do Cazaquistão, informou a agência internacional de notícias Kazinform.

Rakhimzhan Koshkarbaev nasceu em 19 de outubro de 1924 na aldeia de Taitobe, perto da atual capital do Cazaquistão Nur-Sultan. Ele teve que amadurecer cedo, sua mãe morreu quando ele tinha quatro anos e seu pai foi reprimido em 1937. Aos 20 anos, depois de se formar com honras na escola geral de infantaria da capital do Quirguistão, cidade , ele entrou em guerra, depois do qual  ordems do Estandarte Vermelho, da Grande Guerra Patriótica de 1 e 2 graus, medalha “Pela captura de Berlim”. Rakhimzhan Koshkarbayev morreu em 1988, porém seu nome permanecerá para sempre imortal.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.