Vacina contra o coronavírus pode estar pronta em 5 meses, diz Sarah Gilbert, professora de Oxford

Uma vacina contra o coronavírus pode estar disponível para o público em setembro, afirmou \ professora da Universidade de Oxford.

Uma vacina contra o coronavírus pode estar disponível para o público em setembro, disse a professora da Universidade de Oxford.

Sarah Gilbert, professora de vacinologia da Universidade de Oxford, lidera uma equipe de pesquisadores no desenvolvimento de uma vacina que protegeria o mundo contra o Covid-19.

Em entrevista ao The Times, a professora disse que ela e sua equipe já criaram uma vacina potencial que deve iniciar testes em humanos dentro de duas semanas.

Ela disse ao jornal que está “80%” confiante em seu sucesso “, com base em outras coisas que fizemos com esse tipo de vacina”.

Sarah Gilbert, professora da Universidade de Oxford, disse que ela e sua equipe criaram uma potencial vacina.

A maioria dos especialistas do setor diz que uma vacina pode levar até 18 meses para ser desenvolvida e distribuída globalmente.

No entanto, a professora Gilbert acredita que, ao permitir que voluntários de locais que não impuseram medidas de bloqueio sejam infectados naturalmente o mais rápido possível, acelerará o processo do ensaio clínico.

“Se um desses locais apresentar uma alta taxa de transmissão de vírus, obteremos nossos resultados de eficácia muito rapidamente, de modo que essa é uma estratégia para reduzir o tempo”, disse ela.

“Queremos que eles sejam suscetíveis e expostos aos ensaios apenas para testar a eficácia”. Para que a vacina seja distribuída no outono, A professora diz que o governo precisará iniciar a produção antes de comprovadamente funcionar.

Ela disse ao jornal: “Não queremos chegar no final deste ano e descobrir que temos uma vacina altamente eficaz e que não temos nenhuma vacina para usar”.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.