Representações da França em todo o mundo prestam homenagem às vítimas do terrorismo (11 de março 2020)

Embaixador da União Europeia Ignacio Ibanez, discursa na Embaixada da França em Brasília

Representações da França em todo o mundo prestam homenagem às vítimas do terrorismo (11 de março 2020).

O 11 de março, se torna neste ano o primeiro Dia Nacional de Homenagem às Vítimas do Terrorismo. A data foi escolhida em memória do atentado cometido em Madri na estação de Atocha, em 11 de março de 2004, e que desde então é lembrado pela União Europeia como Dia Europeu de Recordação das Vítimas do Terrorismo.

Encarregado de Negócios da Embaixada da França no Brasil Gilles Pecassou
Embaixadores e representantes europeus fazem um minuto de silêncio em respeito as vítimas.

“Este dia é a prova de que os terroristas falharam em destruir a promessa republicana. Eles queriam arruinar o valor da vida, mas fizeram apenas com que ela se tornasse ainda mais preciosa. Eles queriam nos paralisar, mas nos mobilizaram. Queriam nos dividir, mas nos uniram”, disse o Encarregado de Negócios da embaixada da França no Brasil, Gilles Pecassou, citando discurso do presidente francês Emmanuel Macron.

Em Brasília, uma placa em homenagem às vítimas foi descerrada na embaixada na presença do Embaixador da União Europeia, de embaixadores de vários países europeus e de funcionários franceses e brasileiros.

Em seu discurso, o Embaixador da União Europeia, Ignacio Ybáñez, ressaltou que “apoiar as vítimas do terrorismo é uma das maneiras de honrar a nossa responsabilidade de defender seus direitos e a nossa humanidade comum”.

Reunidos em uma comunhão que transcende fronteiras, os participantes guardaram um minuto de silêncio em memória às vítimas e suas famílias e em reconhecimento aos que as resgataram com dedicação e solidariedade exemplar.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.