Reimaginando a diplomacia no mundo pós-COVID: uma perspectiva indiana

We enter 2021, hoping to put the COVID-19 pandemic behind us. While each society has dealt with it uniquely, global diplomacy will nevertheless focus on common concerns and shared lessons. Much of that revolves around the nature of globalization.

Our generation has been conditioned to think of that largely in economic terms. The general sense is one of trade, finance, services, communication, technology and mobility. This expresses the interdependence and interpenetration of our era. What COVID, however, brought out was the deeper indivisibility of our existence. Real globalization is more about pandemics, climate change and terrorism. They must constitute the core of diplomatic deliberations. As we saw in 2020, overlooking such challenges comes at a huge cost.

Despite its many benefits, the world has also seen strong reactions to globalization. Much of that arises from unequal benefits, between and within societies. Regimes and dispensations that are oblivious to such happenings are therefore being challenged. We must ensure that this is not about winners and losers, but about nurturing sustainable communities everywhere.

COVID-19 has also redefined our understanding of security. Until now, nations thought largely in military, intelligence, economic, and perhaps, cultural terms. Today, they will not only assign greater weight to health security but increasingly worry about trusted and resilient supply chains. The stresses of the COVID-19 era brought out the fragility of our current situation. Additional engines of growth are needed to de-risk the global economy, as indeed is more transparency and market-viability.

Multilateral institutions have not come out well from this experience. Quite apart from controversies surrounding them, there was not even a pretense of a collective response to the most serious global crisis since 1945. This is cause for serious introspection. Reforming multilateralism is essential to creating effective solutions.

Fashioning a robust response to the COVID-19 challenge is set to dominate global diplomacy in 2021. In its own way, India has set an example. That it has done by defying prophets of doom and creating the health wherewithal to minimize its fatality rate and maximize its recovery rate. An international comparison of these numbers tells its own story. Not just that, India also stepped forward as the pharmacy of the world, supplying medicines to more than 150 countries, many as grants.

As our nation embarks on a mass vaccination effort, Prime Minister Narendra Modi’s assurance that it would help make vaccines accessible and affordable to the world is already being implemented. The first consignments of Made in India vaccines have reached not only our neighbors like Bhutan, Maldives, Bangladesh, Nepal, Mauritius, Seychelles and Sri Lanka but partners far beyond like Brazil and Morocco.

Other key global challenges today deserve similar attention. As a central participant in reaching the Paris agreement, India has stood firm with regard to combating climate change. Its renewable energy targets have multiplied, its forest cover has grown, its bio-diversity has expanded and its focus on water utilization has increased. Practices honed at home are now applied to its development partnerships in Africa and elsewhere. By example and energy, Indian diplomacy is leading the way, including through the International Solar Alliance and the Coalition for Disaster Resilient Infrastructure initiatives.

The challenge of countering terrorism and radicalization is also a formidable one. As a society, long subjected to cross-border terrorist attacks, India has been active in enhancing global awareness and encouraging coordinated action. It will be a major focus in India’s diplomacy as a non-permanent member of the Security Council and in forums like FATF and G20.

Among the takeaways from the COVID-19 experience has been the power of the digital domain. Whether it was contact tracing or the provision of financial and food support, India’s digital focus after 2014 has yielded impressive results. The “work from anywhere” practice was as strongly enhanced by COVID-19 as the “study from home” one. All these will help expand the toolkit of India’s development programs abroad and assist the recovery of many partners.

2020 also saw the largest repatriation exercise in history–the return home of more than 4 million Indians. This alone brings out the importance of mobility in contemporary times. As smart manufacturing and the knowledge economy take deeper root, the need for trusted talent will surely grow. Facilitating its movement through diplomacy is in the global interest.

A return to normalcy in 2021 will mean safer travel, better health, economic revival and digitally driven services. They will be expressed in new conversations and fresh understandings. The world after COVID-19 will be more multi-polar, pluralistic and rebalanced. And India, with its experiences, will help make a difference.

Dr. S. Jaishankar is the Minister of external affairs of India and author of “The India Way: Strategies for an Uncertain World.”

[Disclaimer: This content originally appeared in Newsweek (ww.newsweek.com) on 11.02.2021.]

Reimaginando a diplomacia no mundo pós-COVID: uma perspectiva indiana

Por Dr. S. Jaishankar, Ministro de Relações Exteriores da Índia

Entramos em 2021, na esperança de deixar a pandemia COVID-19 para trás. Embora cada sociedade tenha lidado com isso de maneira única, a diplomacia global irá focar, no entanto, com preocupações comuns e lições compartilhadas. Muito disso gira em torno da natureza da globalização.

Nossa geração foi condicionada a pensar nisso em grande parte em termos econômicos. O sentido geral é de comércio, finanças, serviços, comunicação, tecnologia e mobilidade. Isso expressa a interdependência e inter-penetração de nossa era. O COVID, no entanto, trouxe à tona a indivisibilidade mais profunda de nossa existência. A globalização real tem mais a ver com pandemias, mudanças climáticas e terrorismo. Eles devem constituir o núcleo das deliberações diplomáticas. Como vimos em 2020, ignorar esses desafios tem um custo enorme.

Apesar de seus muitos benefícios, o mundo também testemunhou fortes reações à globalização. Muito disso surge de benefícios desiguais, entre e dentro das sociedades. Regimes e dispensações que estão alheios a tais acontecimentos estão, portanto, sendo desafiados. Devemos garantir que não se trate de vencedores e perdedores, mas de fomentar comunidades sustentáveis em todos os lugares.

O COVID-19 também redefiniu nosso entendimento de segurança. Até agora, as nações pensavam principalmente em termos militares, de inteligência, econômicos e talvez culturais. Hoje, eles não só atribuem maior peso à segurança da saúde, mas também se preocupam cada vez mais com cadeias de suprimentos confiáveis e resilientes. As tensões da era COVID-19 trouxeram à tona a fragilidade de nossa situação atual. Motores adicionais de crescimento são necessários para diminuir o risco da economia global, pois, de fato, é mais transparência e viabilidade de mercado.

As instituições multilaterais não têm se saído bem com essa experiência. Independentemente das controvérsias que os cercam, não houve nem mesmo a pretensão de uma resposta coletiva à mais séria crise global desde 1945. Isso é motivo de séria introspecção. A reforma do multilateralismo é essencial para a criação de soluções eficazes.

A formulação de uma resposta robusta ao desafio do COVID-19 deve dominar a diplomacia global em 2021. À sua maneira, a Índia deu o exemplo. Isso fez ao desafiar os profetas da desgraça e ao criar os meios de saúde para minimizar sua taxa de fatalidade e maximizar sua taxa de recuperação. Uma comparação internacional desses números conta sua própria história. Além disso, a Índia também se apresentou como a farmácia do mundo, fornecendo medicamentos para mais de 150 países, muitos como subsídios.

Enquanto nossa nação embarca em um esforço de vacinação em massa, a garantia do primeiro-ministro Narendra Modi de que isso ajudaria a tornar as vacinas acessíveis para o mundo já está sendo implementada. As primeiras remessas de vacinas feito na Índia (“Made in India”) atingiram não apenas nossos vizinhos como Butão, Maldivas, Bangladesh, Nepal, Maurício, Seychelles e Sri Lanka, mas também parceiros muito além, como Brasil e Marrocos.

Outros desafios globais importantes hoje merecem atenção semelhante. Como participante central na obtenção do Acordo de Paris, a Índia manteve-se firme em relação ao combate às mudanças climáticas. Suas metas de energia renovável se multiplicaram, sua cobertura florestal cresceu, sua biodiversidade se expandiu e seu foco na utilização da água aumentou. As práticas aprimoradas em casa agora são aplicadas às suas parcerias de desenvolvimento na África e em outros lugares. Por exemplo,  a diplomacia indiana está liderando o caminho, inclusive por meio das iniciativas da Alianca Solar Internacional (“International Solar Alliance”) e da Coligação para uma Infra-estrutura Resiliente a Catástrofes (“Coalition for Disaster Resilient Infrastructure”).

O desafio de combater o terrorismo e a radicalização também é formidável. Como uma sociedade, há muito sujeita a ataques terroristas transfronteiriços, a Índia tem sido ativa no aumento da consciência global e no incentivo à ação coordenada. Será um foco importante na diplomacia da Índia como membro não permanente do Conselho de Segurança e em fóruns como o GAFI e o G20.

Entre as conclusões da experiência do COVID-19 está o poder do domínio digital. Quer tenha sido o rastreamento de contatos ou o fornecimento de suporte financeiro e alimentar, o foco digital da Índia após 2014 produziu resultados impressionantes. A prática de “trabalhar de qualquer lugar” foi tão fortemente reforçada pelo COVID-19 quanto a de “estudar de casa”. Tudo isso ajudará a expandir o conjunto de ferramentas dos programas de desenvolvimento da Índia no exterior e auxiliar na recuperação de muitos parceiros.

2020 também viu o maior exercício de repatriação da história – o retorno para casa de mais de 4 milhões de indianos. Isso por si só traz a importância da mobilidade nos tempos contemporâneos. À medida que a manufatura inteligente e a economia do conhecimento se enraízam, a necessidade de talentos confiáveis certamente aumentará. Facilitar seu movimento por meio da diplomacia é do interesse global.

Um retorno à normalidade em 2021 significará viagens mais seguras, melhor saúde, recuperação econômica e serviços digitalmente orientados. Eles serão expressos em novas conversas e novos entendimentos. O mundo pós COVID-19 será mais multipolar, pluralista e reequilibrado. E a Índia, com suas experiências, ajudará a fazer a diferença.

O Dr. S. Jaishankar é o Ministro de Relações Exteriores da Índia e autor de “The India Way: Strategies for an Uncertain World”.

[Este conteúdo apareceu originalmente na Newsweek (ww.newsweek.com) em 11/02/2021. Esta é uma tradução não oficial do artigo original. Em caso de divergências, prevalecerá a versão em inglês.]

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.