Pesquisadores do Museu Nacional continuarão seus trabalhos nos Estados Unidos após incêndio

Pesquisadores do Museu Nacional continuarão seus trabalhos nos Estados Unidos após incêndio
Missão Diplomática dos Estados Unidos no Brasil, Comissão Fulbright e a Instituição Smithsonian anunciam programa emergencial de intercâmbio para 14 pesquisadores que perderam suas pesquisas devido ao incêndio do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 2018 – Um grupo de 14 pesquisadores que conduzia suas pesquisas nas instalações do Museu Nacional e perdeu seus trabalhos devido ao incêndio em setembro que dizimou as instalações do prédio e grande parte do riquíssimo acervo vai aos Estados Unidos para concluir seus trabalhos em museus da Instituição Smithsonian – maior complexo de museus, educação e pesquisa do mundo. O acordo será anunciado na sede do Museu Nacional, na segunda-feira, dia 17 de dezembro, às 10h, pelo cônsul-geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro, Scott Hamilton, o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, o superintendente de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da UFRJ, Marcelo Byrro, o diretor executivo da Comissão Fulbright, Luiz Valcov Loureiro, e o pesquisador titular da Instituição Smithsonian, C. David de Santana.

Os 14 pesquisadores beneficiados pela iniciativa tiveram documentos, espécimes e outros itens essenciais às pesquisas destruídos pelo incêndio, impossibilitando a conclusão de experimentos e pesquisas. Diante da gravidade da situação, representantes da Missão Diplomática dos EUA no Brasil, do Departamento de Estado dos EUA, da Comissão Fulbright e da Instituição Smithsonian se mobilizaram para apoiar os pesquisadores. Equipes da Pró-Reitoria de Pesquisa da UFRJ e do Museu Nacional identificaram os pesquisadores com mais urgência em concluir seus trabalhos e enviaram uma lista de 14 nomes a representantes da Instituição Smithsonian, que identificaram instituições e museus ligados à instituição que poderiam receber os brasileiros por períodos de aproximadamente 30 dias em 2019. Para o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, essas bolsas darão o subsídio para que os alunos continuem desenvolvendo suas pesquisas, o que é crucial para o museu. “Perdemos parte de nosso acervo, mas não a nossa capacidade de produzir conhecimento. Um trabalho que fazemos com nossos pesquisadores, mas que se renova por meio de nossos alunos.”

As áreas de pesquisa são diversas, englobando Línguas Indígenas, Etnologia, Carcinologia, Aracnologia, Estudos Paleontológicos de Vertebrados, entre outras. “Os museus de história natural são um esforço coletivo para entender e preservar o mundo natural e cultural. O impacto da perda das coleções do Museu Nacional é global e representa um enorme obstáculo para aqueles cujos programas de pesquisa dependiam deles”, disse Kirk Johnson, diretor do Museu Nacional de História Natural do Smithsonian. “O Smithsonian tem o prazer de firmar essa parceria com o Museu Nacional, o Departamento de Estado dos EUA e a Comissão Fulbright para permitir que esses alunos afetados por esta tragédia continuem suas pesquisas em Washington e se tornem a próxima geração de cientistas e antropólogos de história natural”, completou.

O Encarregado de Negócios da Embaixada dos EUA, William Popp, disse: “O governo dos Estados Unidos reconhece a importância das pesquisas que foram interrompidas com esse trágico incêndio. Com esse programa, e com a cooperação dos nossos parceiros, a Missão Diplomática dos EUA no Brasil tem a honra de poder apoiar o Museu Nacional na continuidade de um dos principais objetivos de qualquer museu – a busca e disseminação de conhecimento”.

Serviço:
Anúncio do programa de intercâmbio para pesquisadores do Museu Nacional
Quando: 
17 de dezembro, às 10h
Onde: Auditório Macaco Tião, no Jardim Zoológico do Museu Nacional – Quinta da Boa Vista, São Cristóvão

 

 

National Museum researchers will continue their work in the United States after the fire

The U.S. Diplomatic Mission in Brazil, the Fulbright Commission and the Smithsonian Institution announce an emergency exchange program for 14 researchers whose research was interrupted by the fire at the National Museum in Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, Dec. 13, 2018 – Fourteen researchers who were conducting research at the National Museum and lost their work in the September fire that decimated the building and a large part of the Museum’s rich archives will travel to the United States to conclude their research in museums of the Smithsonian Institution – the world’s largest museum, educational, and research complex.  U.S. Consul General in Rio de Janeiro Scott Hamilton, National Museum Director Alexander Kellner, Federal University of Rio de Janeiro Superintendent for Research Marcelo Byrro, Fulbright Commission Executive Director Luiz Valcov Loureiro, and Smithsonian Institution Research Fellow C. David de Santana will announce the agreement at the National Museum on December 17 at 10 a.m.

The initiative will assist the scholars who had documents, specimens and other items essential to their research destroyed by the fire, making the completion of their experiments and research projects impossible. In the face of the seriousness of the situation, representatives of the U.S. Diplomatic Mission in Brazil, the Department of State, the Fulbright Commission and the Smithsonian Institution acted to support the researchers.  Teams from UFRJ’s Office of Research and the National Museum identified for the Smithsonian Institution the 14 researchers whose needs were most urgent in order to complete their projects.  The Smithsonian identified institutions and museums associated with the Institution that could host the Brazilian scholars for period of approximately 30 days during 2019.  The National Museum Director Alexander Kellner says that the scholarships will provide grants for the students to continue to carry out their research, which is crucial for the museum.  “We have lost part of our collection but not our ability to produce knowledge – work we do with our researchers but that is renewed through our students.”

The research areas are diverse and include, among others, indigenous languages, ethnology, carcinology, arachnology and paleontology of vertebrates.  “Natural history museums are a collective effort to understand and preserve the natural and cultural world.  The impact of the loss of the Museu Nacional collections is global and presents a tremendous hurdle for those whose research programs relied upon them,” said Kirk Johnson, Sant Director of the Smithsonian National Museum of Natural History.  “The Smithsonian is pleased to partner with the Museu Nacional, U.S. Department of State, and the Fulbright Commission in enabling these students impacted by this tragedy to continue their research in Washington and become the next generation of natural history scientists and anthropologists.”

According to the Chargé d’Affaires of the U.S. Embassy, William Popp: “The U.S. government recognizes the importance of the research that was interrupted by this tragic fire.  With this program and with the cooperation of our partners, the U.S. Diplomatic Mission in Brazil is honored to be able to support the continuity of the National Museum with a principal objective of any museum – the search for and dissemination of knowledge.”

Information:

Announcement of exchange program for National Museum researchers

When: Dec. 17, 2018, at 10 a.m.

Where: Macaco Tião Auditorium (Zoo), National Museum, Quinta da Boa Vista, São Cristóvão

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.