Operadora brasileira aposta em turismo histórico no Bahrein

O Bahrein será lançado como destino turístico pela companhia brasileira Lynden nos próximos meses. A empresa do libanês Kháled Fayez Mahassen vai trabalhar, ainda, para ter mais pacotes no Catar e em Omã.

Thais Sousa
ANBA

São Paulo – Bahrein, Omã e Catar são os países nos quais a agência e operadora de turismo Lynden quer concentrar seus esforços em 2020. Entre estas nações, os pacotes ao Bahrein devem ser lançados até março. A empresa já atua com destinos no Oriente Médio há 21 anos e quer diversificar suas opções.

“Com Omã já fazíamos alguma coisa, há cerca de três anos. Trabalhamos muito esse destino junto com Dubai. O Bahrein é a novidade. Estamos vendo uma forma de fazer o Golfo todo em uma só vez. E, como se está abrindo o turismo para a Arábia Saudita, estamos em contato para eles mandarem alguns roteiros também”, disse à ANBA Kháled Fayez Mahassen, dono da Lynden.

Mahassen é libanês e a empresa tem no país de origem do proprietário o carro-chefe. Para o Líbano há saídas diárias e pacotes de dez dias. Agora, o projeto de fazer tours conjugados é o objetivo da empresa para incluir os países menores em extensão como Bahrein, Omã e Catar. “No Bahrein três a quatro dias é o suficiente. Catar e Omã também. Já os Emirados Árabes, normalmente, fazemos em uma semana. Então, fazer aquela região toda em 15 a 20 dias é o suficiente”, explicou Mahassen.

Bahrein

Para o novo destino, a Lynden aposta no apelo histórico do país. “Existia uma civilização lá chamada Dilmun, de mais de seis milênios atrás. Normalmente, o Golfo não tem essa história antiga. O Bahrein tem esse diferencial”, destaca Mahassen. Para se aprofundar nessa civilização, uma das paradas é o Museu Nacional do Bahrein, que abriga uma coleção de exposições de esculturas contemporâneas ao lado de pinturas em cerâmica que abordam a época dos Dilmun.

Nessa linha, o empresário vê outro ponto que pode atrair a atenção de brasileiros: a influência portuguesa no país árabe. “Tem vários lugares interessantes na região. Por incrível que pareça, o Sultanato de Omã e o Bahrein têm influência portuguesa, então passamos por fortalezas dessa época, como o próprio Forte de Bahrein”, conta ele. A fortaleza (foto acima) é a principal do país e foi tombada como Patrimônio Mundial pela Unesco.

O país oferece, ainda, experiências como uma visita a uma fazenda de camelos com até 400 animais e a viagem pela Estrada do Rei Fahad, que liga o Bahrein à Arábia Saudita em uma obra de 25 quilômetros construída acima do mar.

Já Omã e Catar devem ser trabalhados juntos por uma questão estratégica. “Há uma certa ginástica que tenho que fazer, por causa do embargo contra o Catar. Tenho que fazer o Catar primeiro, para depois passar pelo Sultanato de Omã; ou finalizar passando por Omã e em seguida Catar”, revela Mahassen, que tem em Omã uma das únicas pontes para os tours conjugados.

Retorno à Síria

Outra novidade da empresa é a retomada de viagens à Síria. Segundo o empresário, ainda há algumas dificuldades com o destino, mas que se limitam a questões burocráticas como a demora na emissão de visto. A empresa voltou a atuar em cidades como a capital, Damasco, além de Maalula, Homs e Lataquia.

Para seguir trabalhando na região, o empresário acredita na importância de difundir informações sobre o Oriente Médio em palestras como a que vai ministrar na Aviesp, exposição de turismo que ocorre em março em Águas de Lindóia. “A Lynden já passou por várias crises brasileiras e no Oriente Médio. Diversificamos os destinos exatamente para que quando tiver problemas em um país possamos continuar em outros”, concluiu.

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.