O Artigo do Embaixador David Solomonia fala sobre a Georgia, História, Independência e excelente ambiente para investimentos.

Embaixador da Georgia no Brasil, David Solomonia.

A história da Geórgia remonta a milênios, com o primeiro Estado georgiano, o reino de Cólquida, terra do lendário Velocino de Ouro, formando o século 13 A.C. Para entender esse fato na perspectiva, o Império Romano foi fundado 1000 anos depois. Desde então, o Estado georgiano existiu de uma forma ou de outra, resistindo a todas as ameaças, lutando numerosas guerras, mais de 300, com inimigos formidáveis ​​vindos de todas as direções.

É por isso que na língua georgiana a paz e a vitória estão tão arraigadas. Quando os georgianos dizem “olá”, “Gamarjoba”, significa literalmente “Vitória”, então desejamos uma vitória uns aos outros, e quando os georgianos dizem “bom dia”, eles dizem “Dila Mshvidobisa”, que significa “Manhã pacífica para você”, isso reflete o quanto nossos ancestrais valorizavam a paz. Apesar de todas as calamidades da história, a Geórgia sobreviveu, enquanto muitos de seus inimigos caíram no esquecimento. O Império Romano, o Império Russo e mais tarde o Império Soviético, todos desapareceram com a maré da história, mas a Geórgia ainda permaneceu, livre de subjugação e conquista estrangeira.

Falando sobre o passado, gostaria de enfatizar a importância do mês de fevereiro na história moderna da Geórgia, em 21 de fevereiro de 1921, a Assembleia Constituinte da República Democrática da Geórgia adotou sua primeira Constituição. E exatamente naquele momento, as Forças Armadas da Geórgia estavam lutando contra o exército sovietico nos arredores de Tbilisi. Apesar dos termos do Tratado de Paz de Moscou de 7 de maio de 1920, que reconhecia a independência da Geórgia, o regime soviético seguiu o caminho do Império Russo e avançou para estrangular a ideia da independência da Geórgia. A independência da Geórgia de 1918 a 1921, embora de curta duração, foi de particular importância para o desenvolvimento do sentimento nacional entre os georgianos, um fator importante que tornou o país uma das forças mais anti soviéticas. 

25 de fevereiro marca os 100 anos desde que a Rússia Soviética ocupou a Geórgia. Apenas para tocar brevemente no significado da primeira constituição, na época era um dos mais progressistas e avançados documentos jurídicos supremos do mundo, o qual definia a democracia como uma forma de governo da república, garantia os direitos das mulheres, minorias religiosas e étnicas, abolição da pena de morte, introdução do julgamento por júri – para citar alguns destaques; O Artigo 1 declara: “A Geórgia será um Estado livre, independente e indivisível. A forma permanente e imutável de seu arranjo político será a República Democrática. ” Naquela época, a Geórgia se tornou o oitavo país onde as mulheres tinham o direito de votar e se candidatar.

Em fevereiro de 1919, cinco mulheres foram eleitas para o Parlamento da República Democrática da Geórgia e participaram da redação da primeira Constituição. A República Democrática da Geórgia (1918-1921), apesar do curto período de sua existência, teve um impacto significativo no desenvolvimento do Estado georgiano a longo prazo e a Constituição de 1921 simbolizou as aspirações da República Democrática da Geórgia para a formação de um Estado unificado, democrático e independente.

Em 9 de abril de 1991, quando a independência da Geórgia foi restaurada quando o Ato de Restauração da Independência do Estado da Geórgia foi adotado pelo Conselho Supremo da República da Geórgia, isso estava organicamente ligado à Constituição de 1921, que se concentrava nos valores democráticos e princípios, bem como estabelecimento e fortalecimento das instituições democráticas na Geórgia. 26 de maio, o dia da criação da República Democrática da Geórgia, ainda é comemorado como feriado nacional – o Dia da Independência da Geórgia. Agora, 100 anos desde então, nós, os agradecidos descendentes, apreciamos os sacrifícios de nossos ancestrais na espinhosa estrada para a independência e nos lembramos desses dois dias de fevereiro, um solene e um trágico, e perseguimos o sonho de nossos antepassados ​​de termos um Estado unido, democrático e independente.

Além disso, este ano marca uma importante data para a Geórgia, o 30º aniversário desde que a Geórgia restabeleceu sua independência e decidiu se juntar à comunidade das nações livres. Esses anos foram repletos de lutas, esforços e sacrifícios da nossa nação para nos tornarmos uma verdadeira democracia, parceira responsável e simplesmente um país atraente para turistas e investidores.

Desde a independência, a Geórgia conseguiu se tornar uma democracia estável, estar no topo das classificações, incluindo o 7º lugar nas classificações de Ambiente de Negócios do Banco Mundial (entre 190 países), bem como o 2 º lugar nas classificações de Facilidade de Começar Negócios, também conforme os índices de Liberdade Econômica (12º) e Percepção de Corrupção (44º). No geral, a Geórgia está entre os países líderes no mundo em termos de abertura de empresas, lidando com a burocracia e o número de procedimentos necessários para lançar e operar uma empresa, com a administração constantemente voltada para reformas e uma economia de mercado livre, transparente e impulsionada pelo setor privado .

Também é importante destacar que a Geórgia oferece não apenas uma localização estratégica para as regiões adjacentes, sendo o hub regional dos produtos brasileiros para os mercados da Europa Oriental, Ásia Central e do Sul do Cáucaso, mas também soluções inovadoras para fazer negócios (tributação simplificada , menos burocracia, etc).

Estamos muito otimistas com o crescente interesse dos brasileiros pela Geórgia, sobre seu passado antigo, a cultura rica e única, a bela cozinha georgiana, a esplêndida mistura de muitas culturas e sabores e, claro, os vinhos e técnicas de vinificação mais antigos do mundo. Também gostaria de enfatizar que os laços entre nossos países não se definem apenas por meio do comércio e dos negócios, mas temos muitas coisas em comum.

A Geórgia e o Brasil são democracias baseadas em valores, países onde os princípios do pluralismo político, liberdade da mídia, direitos humanos e economia de mercado livre são igualmente respeitados e apreciados. Temos o privilégio de ter o Brasil como parceiro de confiança e nos sentimos da mesma forma, sendo o parceiro de confiança do Brasil na região.

English Version:

The history of Georgia dates back to millennia’s, with the first Georgian state, kingdom
of Colchis, land of the legendary Golden Fleece, forming 13 th centuries BC. To
understand this fact in the perspective, the Roman Empire was founded 1000 years
later. Since then, Georgian state existed in some form or another, withstanding all
menaces, fighting numerous, more than 300 wars with formidable foes coming from
every direction.

This is why in the Georgian language peace and victory are so
embedded. When Georgians say “hello”, “Gamarjoba”, it literally means “Victory”, so we
wish each other a victory, and when Georgian say “good morning” they say “Dila
Mshvidobisa”, which means “Peaceful morning to you”, this reflects how much our
ancestors valued peace.

Despite all of the calamities of the history, Georgia has made it
through, while many of its foes vanished into the absence. The Roman Empire, Mongol
hordes, the Russian and later the Soviet empires all disappeared with the tide of history,
but Georgia still remained, free of foreign subjugation and conquest.
Speaking about the past, I would like to emphasize the importance of the month of
February in the modern history of Georgia, on 21 February 1921, the Constituent
Assembly of Democratic Republic of Georgia adopted its first modern Constitution. And
at exactly that point of time, the Georgian Armed Forces were fighting the Russian army
on the outskirts of Tbilisi. Despite the terms of the Moscow Peace Treaty of May 7,
1920, which recognized Georgian independence, the Soviet regime followed the path of
the Russian empire and advanced to strangle the idea of the Georgian independence.


The 1918–1921 independence of Georgia, though short-lived, was of particular
importance for the development of national feeling among Georgians, a major factor
that made the country one of the most anti sovietic forces.
25 th of February marks 100 years since the Soviet Russia has occupied Georgia. Just
to briefly touch upon the significance of the first constitution, at a time it was of the most
progressive and advanced supreme legal documents in the world, which defined
democracy as a form of governance of the republic, guaranteed the rights of women,
religious and ethnic minorities, abolished death penalty, introduced jury trial – to name a
few highlights; Article 1 stated: “Georgia shall be a free, independent and indivisible
State. The permanent and unchangeable form of her political arrangement shall be the
democratic Republic.” Georgia at that time became the eighth country where women
had the right to vote and stand for election.


In February 1919, five women were elected to the Parliament of the Democratic
Republic of Georgia and they participated in the drafting of the first Constitution. The
Democratic Republic of Georgia (1918-1921), despite the short period of its existence,
had a significant impact on the development of the Georgian statehood in a long run
and the 1921 Constitution symbolized aspirations of the Democratic Republic of
Georgia towards the formation of a unified, democratic and independent state.

On April 9, 1991, when the independence of Georgia was restored when the Act of the
Restoration of State Independence of Georgia was adopted by the Supreme Council of
the Republic of Georgia, this was organically linked to the 1921 Constitution, which
focused on democratic values and principles as well as establishment and
strengthening of democratic institutions in Georgia. May 26, the day of the
establishment of the Democratic Republic of Georgia, is still celebrated as a national
holiday — the Independence Day of Georgia. Now, 100 years since then, we the
grateful descendants appreciate sacrifices of our ancestors on the thorny road to the
independence and remember these two days of February, one solemn and one tragic,
and pursue the dream of our forefathers of having unified, democratic and independent
state.
Also, this year marks an important date for Georgia, 30-th anniversary since Georgia
has reinstated its independence and decided to join the community of the free nations.
Those years were filled with the struggle, efforts and sacrifice of our nation in order to
become true democracy, responsible partner and simply a country attractive to tourists
and investors. Since the independence, Georgia managed to become stable
democracy, be in the top rankings including the 7th place of the World Bank Business
Environment ratings (out of 190 countries), as well as the 2nd place in the Ease of
Starting Business ratings, as well as the Economic Freedom (12th) and Corruption
Perception (44th) indexes.

Altogether Georgia is among the leading countries in the
world in terms of starting a business, dealing with bureaucracy and the number of
procedures required to launch and operate an enterprise, with the constantly reforms
oriented administration and free, transparent, private-sector driven market economy. It
is also worth to be noted that Georgia offers not only a strategic location to adjacent
regions, being the regional hub for the Brazilian products to the markets of East Europe,
Central Asia and South Caucasus countries, but also innovative solutions to do
business as well (simplified taxation, less bureaucracy, etc).


We are very optimistic about the growing interest of the Brazilians towards Georgia,
about its ancient past, the rich and unique culture, the gorgeous Georgian cuisine,
splendid mix of many cultures and tastes and of course the world’s oldest wines and
winemaking techniques. I would also like to emphasize, that the ties between our
countries are not only defined through trade and business, but we have many thing in
common. Georgia and Brazil are value based democracies, countries where the
principles of political pluralism, media freedom, human rights and free market economy
are equally respected and appreciated. We find ourselves privileged to have Brazil as
the trustworthy partner and feel the same way, being the reliable partner of Brazil in the
region.


Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.