Entrevista com o Embaixador da Àfrica do Sul no Brasil-VUSI MAVIMBELA

Entrevista exclusiva concedida a Jornalista Fabiana Ceyhan.

Translated from English to Portuguese- Tradução: Fabiana Ceyhan.

Embaixador da Àfrica do Sul no Brasil,Vusi Mavimbela

” A África do Sul está perfeitamente posicionada, como uma economia líder no continente, com uma  infraestrutura urbana de alto nível e um ambiente favorável ao investimento, para ser uma  porta de entrada para as empresas brasileiras se expandirem no continente africano. “

Fabiana: Fale com o leitor sobre a situação das relações entre o Brasil e a África do Sul, por favor.

  Estou muito animado em representar a África do Sul no Brasil. Nossos países têm muito em comum, mas, acima de tudo, nossos povos se relacionam de uma maneira que fornece a base para um relacionamento profundo, voltado para o desenvolvimento e duradouro. Somos democracias constitucionais com ricas similaridades patrimoniais, culturais e históricas. Somos países do Sul global que defendem os interesses de nossas regiões e das nações em desenvolvimento e pobres de todo o mundo.

 Abraçamos nossas respectivas responsabilidades nos fóruns multilaterais, incluindo a manutenção da paz e segurança internacional por meio da manutenção da paz, da cooperação marítima e da prestação de assistência humanitária, para citar apenas alguns.

  Ambos os países também compartilham muitos dos mesmos desafios de desenvolvimento, incluindo pobreza, desemprego e desigualdade, razão pela qual somos parceiros naturais de várias maneiras. Temos um interesse comum em abordar todos esses desafios e  já compartilhamos nossas experiências em plataformas bilaterais e multilaterais.

A relação política bilateral é muito saudável e sólida com um  Acordo de Parceria Estratégica formal e cordial. Desde a posse do Presidente  Bolsonaro, em 1 de janeiro de 2019, realizaram-se várias reuniões com o Presidente  Ramaphosa, o que deu o tom para a continuação das nossas relações cordiais e  construtivas.

  Em dezembro de 2020, o Ministro de Relações Internacionais e Cooperação Internacional da África do Sul, Dr. Naledi Pandor, e seu homólogo, Ministro Ernesto Araújo, mantiveram  extensas conversas durante uma reunião bilateral virtual. Acredito que esta reunião definiu a agenda para uma revitalização verdadeiramente dinâmica das relações entre nossos países. Os dois Ministros concordaram que a próxima sessão do Conjunto Brasil-África do Sul  (Ministerial) A comissão ocorrerá no Brasil, no segundo semestre de 2021.

 Este compromisso nos dará a oportunidade de avaliar o relacionamento em todos os níveis e em todos os setores, e de concluir acordos que estão prontos para assinatura.

 Fabiana :Quais são os seus planos para a sua Missão aqui no Brasil ?

 Vejo um grande potencial para aumentar a prosperidade mútua e o desenvolvimento sustentável  por meio da cooperação entre nossos países. Ainda há muito que pode ser feito para aumentar o comércio bilateral e os investimentos, e para engajar em pesquisa e inovação em todos os setores em direção a uma meta pós- pandemia, que terá que ser significativamente diferente da passado.

 Agora sabemos o grande significado da cooperação em setores vitais como saúde e meio ambiente. Também temos que reconhecer as terríveis consequências de impulsionar o crescimento econômico sem grandes investimentos em desenvolvimento social.

 Portanto, pretendo concentrar meus esforços no avanço de uma parceria estratégica vibrante entre a África do Sul e Brasil. Nos últimos anos, as relações da África do Sul com o Brasil têm sido impulsionadas por parcerias de cooperação inter-regional, em particular IBAS e  BRICS. É claro que isso é crítico, mas deve ser sustentado por uma relação bilateral forte e dinâmica. A este respeito, pretendo facilitar compromissos mais tangíveis e práticos entre entidades públicas e privadas na África do Sul e no Brasil.

 Temos muito a oferecer uns aos outros à medida que também nos esforçamos para um crescimento econômico inclusivo, a redução da dívida e da inflação, e aumento do emprego em grande escala. A diplomacia econômica deve, portanto, ser a ponta de lança de nosso trabalho no Brasil.  Por meio de ações criativas e inovadoras, como plataformas virtuais, continuaremos  nosso trabalho sob essas condições pandêmicas restritas, prevendo que as circunstâncias vão melhorar . Não devemos poupar esforços para apoiar nossos objetivos nacionais de recuperação e reconstrução.

Fabiana: Em sua opinião,quais são as áreas  Brasil e a África do Sul deveriam  cooperar mais?

Certamente,um dos focos do nosso compromisso deve estar uma cooperação agrícola mais estreita, conforme combinado pelos nossos dois Chefes de Estado. Outras áreas de cooperação que foram acordadas por nossos Ministros das Relações Exteriores incluem defesa e energia (biocombustíveis). A cooperação em ciência e tecnologia também tem grande potencial para uma cooperação mais profunda. Assim como os sul-africanos, os brasileiros amam esportes, música, comida e atividades ao ar livre. Precisamos explorar essa sinergia natural entre nossos povos e promover maneiras de aprofundar as relações entre as pessoas, inclusive nas áreas de música, turismo, artes e cultura, patrimônio, esportes e academia .

O turismo também é uma área que experimentava altos níveis de crescimento antes da pandemia . Em 2019, vimos um aumento ano-a-ano de 9,5% nas chegadas de Brasileiros, com crescimento em uma trajetória ascendente desde 2016. Continuaremos o trabalho necessário para retornar a taxas de crescimento ainda mais altas após a pandemia está sob controle.  Há algo para todos na África do Sul, desde nossos safáris de vida selvagem, rotas do vinho e praias a aventuras de ação, passeios históricos e culturais e rica biodiversidade.  Queremos incentivar mais Brasileiros para visitar e explorar nosso lindo país.


Finalmente, Acredito que haja potencial de cooperação entre nossos dois países no contexto da Área de Livre Comércio Continental da África (a maior do mundo) e, em particular, as tremendas oportunidades para as empresas brasileiras aumentarem seu IDE  e participar na construção de infraestrutura em todo o continente africano.  A África do Sul está perfeitamente posicionada, como uma economia líder no continente com uma  infraestrutura urbana de alto nível e um ambiente favorável ao investimento, para ser uma  porta de entrada para as empresas brasileiras se expandirem no continente africano.

English original version:

Fabiana: Please Talk to the reader about the status of relations between Brazil and South Africa

I am very excited to represent South Africa in Brazil. Our countries have so much in
common but above all, our people relate to each other in a way that provides the
foundation for a deep, development-oriented and durable relationship. We are
constitutional democracies with rich heritage, cultural and historical similarities.
We are countries of the global South who champion the interests of our regions and
of developing and poor nations across the world. We embrace our respective
responsibilities in multilateral forums, including in the maintenance of international
peace and security through peacekeeping, through maritime cooperation and the
provision of humanitarian assistance, to name but a few.


Both countries also share many of the same developmental challenges, including
poverty, unemployment, and inequality, which is why we are natural partners in
many ways. We have a common interest in addressing all of these challenges and
already share our experiences in both bilateral and multilateral platforms.
The bilateral political relationship is very healthy and on solid footing with a formal
Strategic Partnership Agreement in place. Since the inauguration of President
Bolsonaro on 1 January 2019, a number of meetings have been held with President
Ramaphosa, which has set the tone for the continuation of our cordial and
constructive relations.


In December 2020, South Africa’s Minister of International Relations and
Cooperation, Dr Naledi Pandor, and her counterpart, Minister Ernesto Araujo, held
extensive discussions during a virtual bilateral meeting. I believe that this meeting
has set the agenda for a truly dynamic revitalisation of relations between our countries.


The two Ministers agreed that the next session of the South Africa-Brazil Joint
(Ministerial) Commission will take place in Brazil in the second half of 2021. This
engagement will afford us an opportunity to evaluate the relationship at all levels and
in all sectors, and to conclude additional agreements that are ready for signature.

 Fabiana:What are your plans for your Term of Office?


I see great potential to increase mutual prosperity and sustainable development
through cooperation between our countries. There is still much that can be done to
increase bilateral trade and investment, and to jointly engage in research and
innovation across all sectors towards a post-pandemic order that will have to be
significantly different from the past. We now know the great significance of
cooperation in vital sectors such as health and the environment. We also have to
recognise the folly and the dire consequences of boosting economic growth without
large investments in social development.


I therefore plan to focus my efforts on advancing a vibrant strategic partnership
between South Africa and Brazil. In recent years, South Africa’s relations with Brazil
have been driven by interregional cooperation partnerships, in particular IBSA and
BRICS. These are of course critical, but they must be underpinned by a strong and
dynamic bilateral relationship. In this regard, I intend to facilitate more tangible and
practical engagements between public and private entities in South Africa and Brazil.


We have much to offer each other as we similarly strive for inclusive economic
growth, the reduction of debt and inflation, and increase employment on a large
scale. Economic diplomacy must therefore be the sharp end of our work in Brazil.
Through creative and innovative actions, such as virtual platforms, we will continue
our work under these restricted pandemic conditions in anticipation that
circumstances will improve. We should spare no effort in supporting our national
recovery and reconstruction goals.

Fabiana: What are the areas of cooperation that Brazil and South Africa should
cooperate more on?


Certainly, at the core of our engagement should be closer agricultural cooperation,
as directed by our two Heads of State. Other areas of cooperation that were agreed
to by our Foreign Ministers include defence and energy (bio-fuels). Science and
technology cooperation also holds great potential for deeper cooperation.
Much like South Africans, Brazilians love sports, music, food and the outdoors. We
need to exploit this natural synergy between our people and promote ways to
deepen people-to-people relations, including in the areas of music, tourism, arts &
culture, heritage, sports .


Tourism is also an area which was experiencing high levels of growth prior to the
pandemic. In 2019, we saw a 9.5 percent year-on-year increase in arrivals from
Brazil, with growth on an upward trajectory since 2016. We will continue the work
required to return to even higher growth rates once the pandemic is under control.
There is something for everyone in South Africa, from our wildlife safaris, wine routes
and beaches, to action adventures, historical and cultural tours, and rich biodiversity.
We want to encourage more Brazilians to visit and explore our beautiful country.
Finally,

I believe there is potential for cooperation between our two countries in the
context of the African Continental Free Trade Area (the largest in the world) and, in particular, the tremendous opportunities for Brazilian companies to increase their FDI
footprint and to participate in the infrastructure build across the African Continent.
South Africa is perfectly positioned, as a leading economy on the continent with a
world class urban infrastructure and an investment-friendly environment, to be a
gateway for Brazilian companies to expand into the African continent.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.