Ministério das Relações Exteriores intermedia doação de medicamentos para Cuba

Operação humanitária foi coordenada pela Agência Brasileira de Cooperação, do Ministério das Relações Exteriores, com apoio da Embaixada do Brasil em Havana

O governo do Brasil doou ao governo de Cuba 100.020 comprimidos de tenofovir alafenamida 25mg, usados no tratamento de hepatites virais. A doação brasileira tem caráter humanitário e não afeta o abastecimento nacional.

A cerimônia simbólica de entrega da doação foi realizada em Havana, no dia 26 de outubro último e contou com a participação do Diretor Nacional de Epidemiologia do Ministério da Saúde Pública de Cuba, Francisco Durán García; e de representante da Organização Panamericana de Saúde (OPAS/OMS), Gerardo de Cósio, além do encarregado de negócios da Embaixada do Brasil, Ministro José Luiz Vieira.

Durante o evento, Francisco Durán salientou que Cuba foi o primeiro país do mundo a eliminar a transmissão materno-infantil do HIV e da sífilis congênita, graças ao  fortalecimento do Programa Nacional de Prevenção e Controle do HIV/AIDS.

De sua parte, o representante do governo brasileiro sublinhou o apoio oferecido pela OPAS e o trabalho realizado pela equipe cubana de saúde no combate às infecções sexualmente transmissíveis e às hepatites virais.

A operação de doação humanitária foi coordenada pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores (MRE), e contou com apoio do Ministério da Saúde, do Escritório de Representação do Itamaraty em São Paulo e da Embaixada do Brasil em Havana. A parte logística foi organizada pela OPAS/OMS.

O governo do Brasil doou ao governo de Cuba 100.020 comprimidos de tenofovir alafenamida 25mg, usados no tratamento de hepatites virais.

As informações são da Agência Brasileira de Cooperação.

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.