Emirados Árabes Unidos e Brail têm “relação especial”, afirma ministra para a Cooperação Internacional

Em entrevista, ela falou sobre os preparativos para a COP28 e como vê o papel do Brasil na questão climática

A ministra para a Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos e CEO da Expo City Dubai Authority, Reem Al Hashimy (foto acima), afirmou que as autoridades trabalham para entregar uma COP significativa, relevante e inclusiva. A 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP28), que ocorre de 30 de novembro a 12 de dezembro, deve reunir mais de 70 mil participantes na Expo City, legado da Expo 2020 Dubai.

Reem, a força por trás da candidatura que trouxe a exposição mundial pela primeira vez ao Oriente Médio, destacou o simbolismo de a cidade receber o evento. “O espírito da Expo foi voltado para a ação, e o evento foi muito global. Portanto, não há fórum melhor para reunir as pessoas e tentar encontrar soluções de forma colaborativa do que sediar uma COP, especialmente neste momento”, disse a ministra.

Em meio aos preparativos para a COP28, Reem Al Hashimy concedeu uma entrevista à equipe da Agência de Notícias dos Emirados (WAM), parceira da ANBA, na qual falou sobre o evento, a participação da América Latina e a cooperação com o Brasil em torno da COP30.

WAM: Quão simbólico é para a Expo City sediar a COP28 em meio à necessidade de cooperação internacional para enfrentar as mudanças climáticas?
Reem Al Hashimy: É incrivelmente simbólico que o local da Expo receba a COP. Durante a Expo 2020, ele conseguiu reunir 192 nações. Conseguimos que um pouco mais de 24 milhões de visitantes viessem à Expo em um período de seis meses e conseguimos fazer isso enquanto lutávamos coletivamente contra uma pandemia global. Portanto, é algo de que estou incrivelmente orgulhosa, incrivelmente grata ao povo dos Emirados Árabes Unidos e, desde que o evento chegou ao fim, em março de 2022, temos nos preparado para a transição de um evento em uma cidade. E, à medida que passamos por essa transição para uma cidade, uma das principais coisas que analisamos foi como continuar a nos manter fiéis ao espírito da Expo, o espírito da colaboração dela. Um de nossos subtemas foi a sustentabilidade.

O espírito da Expo foi voltado para a ação, e o evento foi muito global. Portanto, não há fórum melhor para reunir as pessoas e tentar encontrar soluções de forma colaborativa do que sediar uma COP, especialmente neste momento. A comunidade global está realmente lutando contra os desafios climáticos, e estamos esperançosos e otimistas, de forma prática, de que somos uma COP muito voltada para a solução e que conseguiremos reunir as pessoas para encontrar essas soluções e dimensioná-las de acordo.

Como a Expo City está se preparando para sediar a COP28?
Em muitos aspectos, estamos agindo de forma semelhante ao que fizemos durante a Expo. Mas, em muitos aspectos, uma COP é muito diferente de uma Expo. Assim, por exemplo, há uma zona azul reservada apenas para funcionários credenciados da ONU e há uma zona verde, que é realmente aberta ao público em geral. Estamos nos certificando de que nossa entrega, nossas operações e nossa programação continuem a ser significativas e relevantes e, o mais importante, inclusivas. Portanto, queremos realmente reunir pessoas de todos os lugares para solucionar esses desafios. Logo, vocês verão estudantes no local. Vocês verão professores universitários, estagiários, empresários, ministros, ativistas. Queremos estar abertos a qualquer pessoa que tenha uma voz que queira contribuir para a solução dos problemas do futuro.

O que você espera como resultado dessa COP para os Emirados Árabes Unidos e para o mundo?
As COPs são processos baseados em consenso, portanto, não se trata tanto do que queremos, mas do que a comunidade internacional decidirá e, o que é muito importante, com o que concordará. O que propomos, e que continua sendo muito importante, é: como manter a ambição de manter o 1,5˚C vivo? Isso é muito importante para a saúde do nosso planeta e para a subsistência das pessoas que vivem no planeta. Também sabemos que será extremamente importante aumentar a energia renovável para as pessoas em todo o mundo, para que elas possam ter acesso à energia. Também acreditamos firmemente que precisamos de uma transição energética justa para que as pessoas que dependem de combustíveis fósseis encontrem outras alternativas como fontes de energia. E, claro, há a mitigação e a adaptação ao clima. E o pilar mais importante, pelo menos em nossa perspectiva, é o financiamento climático. Como apoiar as comunidades para que atinjam suas metas de desenvolvimento, mantendo ou permitindo o acesso ao financiamento necessário para que construam um ambiente com consciência climática?

WAM/Gaprial Skondos/Sherif Temraz

Ministra Reem falou a jornalistas da WAM

Você visitou recentemente a América Latina este ano, a última vez para a Cúpula da Amazônia em Belém. O que espera dos países latino-americanos na COP28 e, especificamente, do Brasil?
Os países da América Latina têm uma voz muito forte. De muitas maneiras, os países da América Latina, pelo menos oito deles, que são os que eu vi quando estive em Belém, são os guardiões da Amazônia. Eles representam também as comunidades indígenas que cuidam dessa solução baseada na natureza. Trata-se de, como vocês sempre ouviram, o pulmão de todo o planeta.

Portanto, as delegações da América Latina são delegações que virão, acredito, não apenas com um foco importante na natureza, mas também com um foco importante no empreendedorismo e na tecnologia. O que também aprendi em minhas viagens a vários países da América Latina, incluindo o Caribe, é que existem muitas soluções locais que precisam de apoio tanto para financiamento quanto escala. E acho que se começarmos a ser mais orientados por soluções para tentar abordar um contexto localizado, de modo que algo que funciona aqui não funcione lá, algo que realmente seja projetado para um ambiente construído específico, poderemos aprender uns com os outros e avançar mais progressivamente. Visitei o Brasil três vezes em 2023. Muito mais do que três vezes (ao longo da vida). E acho que o que sempre me impressionou no Brasil foi o senso de inovação que encontrei na indústria brasileira. A comunidade empresarial, a comunidade empreendedora a comunidade de tecnologia assumem riscos. Eles são muito práticos e orientados para a solução, são ótimos de se conviver e também têm metas muito ambiciosas para suas próprias comunidades. Creio que isso tenha contribuído para o tipo de conversa que tenho tido com eles ou que nós, como equipe dos Emirados Árabes Unidos, temos tido com eles. Também é muito promissor para o futuro, porque os Emirados Árabes Unidos e o Brasil realmente têm um relacionamento estratégico e especial, com o qual estamos comprometidos a aumentar e aprofundar ainda mais.

Que oportunidades de investimento e cooperação poderiam ser desenvolvidas no curto prazo entre os Emirados Árabes Unidos, a América Latina e o Caribe?
Há vários focos temáticos que gostamos de abordar. A energia renovável é fundamental, portanto, como fornecer energia renovável limpa e acessível às comunidades seria um pilar importante. A infraestrutura é muito importante para nós.

Nos Emirados Árabes Unidos, trabalhamos muito no desenvolvimento de uma infraestrutura de alto nível que ajuda a apoiar o crescimento dos negócios. Quer se trate de estradas, pontes ou aeroportos, esses são elementos realmente importantes para nós e que analisamos bastante. Estamos interessados em transporte. Portanto, caso se trate de portos ou de conectar diferentes pontos de acesso uns aos outros, esses também são um grande interesse dos Emirados Árabes Unidos. Analisamos ainda muito a tecnologia, como podemos apoiar a tecnologia que é direcionada a resolver alguns dos desafios que todos nós enfrentamos? E, mais uma vez, a grande palavra “escala”, como dimensionar isso tanto em sua região quanto na nossa?

O Brasil sediará a COP30 em Belém. Como os Emirados Árabes Unidos podem colaborar com o Brasil, tendo a COP30 em vista?
Quando estivemos em Belém, oferecemos à equipe brasileira a oportunidade de incorporar os brasileiros em nossa preparação para a COP, se assim o desejassem. Não apenas para analisar algumas das complexidades existentes, mas também para analisar alguns dos ângulos de entrega operacional, porque pela primeira vez a COP que está acontecendo nos Emirados Árabes Unidos terá a zona verde e a zona azul uma ao lado da outra. E a ideia de fazer isso é que não queremos que as equipes fiquem em câmaras separadas e a vácuo. Elas precisam saber o que a outra pessoa está dizendo, por isso esperamos criar um pouco de polinização, polinização cruzada, para que as pessoas da zona azul caminhem 15 metros até a zona verde e assistam a uma palestra de um jovem estudante que está falando sobre uma inovação que ele conseguiu fazer para sua própria comunidade escolar, por exemplo.

Acredito que a liderança global do Brasil, mas principalmente a sua liderança nos países do Sul, e especialmente quando começar a se preparar para sediar a COP30 em 2025, trará uma resposta muito prática e local para a ação climática e, como estamos às portas da Amazônia, um tipo claro de compreensão do que todos nós temos a perder se perdermos nossas próprias soluções que existem baseadas na natureza.

Acho que, nesse aspecto, o Brasil também é muito receptivo em relação à busca de novos negócios e sua expansão. E quando o presidente Lula (Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil) visitou os Emirados Árabes Unidos em abril, e enquanto o Brasil se prepara para sediar o G20 no próximo ano e, é claro, como o Brasil é um membro ativo do Brics, há muitos pontos de contato através dos quais encontramos uma parceria natural com o País.

A ministra do Meio Ambiente do Brasil, Marina Silva, está no cargo desde o início do ano. Como você vê o trabalho dela?
Ela é fenomenal! Eu a encontrei brevemente em Belém. A encontrei com a ministra dos Povos Indígenas do Brasil (Sonia Guajajara), com quem também tive o prazer de compartilhar uma refeição na segunda vez que fui ao Brasil. Na terceira vez que fui, encontrei as duas.

Creio que precisamos de todas as vozes que estejam comprometidas com mudanças positivas. Ela tem uma visão profunda que, acredito, enriquecerá as discussões da COP aqui na Expo. Também acho que quando combinamos diferentes perfis de pessoas, desde o indígena até o ministro, da África, da América do Sul, da Europa Ocidental, do mundo árabe e da Ásia – em todos os diferentes espectros, sejam eles, como eu disse, empresários, ministros ou agricultores –, completamos o quadro. Somos responsáveis por responder ao quadro completo, não à nossa própria versão da verdade, mas como a verdade em sua totalidade responde a minha vida, a sua vida e à de nossos filhos. Acho que esse ângulo de inclusão, e estamos muito comprometidos com a presença e a voz dos indígenas na COP, acrescentará um ângulo que também precisamos analisar cuidadosamente e integrá-lo a nossa formulação de políticas mais amplas.

Reportagem de Pablo Relly e Renan de Souza para a WAM/ANBA.

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.