Embaixadora de Gana, Abena Busia, inova e traz cultura africana para carnaval do Brasil

Programação acontece em Salvador, com música, dança, gastronomia e artesanato tradicionais do país africano

O carnaval de Salvador recebe pela primeira vez o Camarote Casa de Gana, com uma programação artística e cultural de conexão entre o país africano e a capital baiana. O camarote Casa de Gana foi instalado na Casa Vale do Dendê (Terreiro de Jesus – Pelourinho), e funciona das 14h às 00h até dia 13 de fevereiro.

O evento é voltado para convidados, mas terá uma cota de ingressos por dia reservada ao público geral.  Os ingressos gratuitos estarão disponíveis no SymplaMais informações podem ser obtidas em @casadegana e @valedodende.

O projeto envolve cerca de 30 artistas, empresários, lideranças e autoridades ganesas, promovendo um espaço de vivências que passeiam pela arte, história, gastronomia, moda, artesanato, música e danças tradicionais e contemporâneas, oportunizando uma rica imersão na cultura desse país localizado na África Ocidental.

Ainda com o propósito de incentivar o diálogo entre a diversidade cultural e tradições que unem os dois países, o projeto também promove o encontro de artistas ganenses em trios de blocos afro, como o Olodum e Muzenza.

A iniciativa é promovida e realizada pela embaixada de Gana no Brasil e o Ministério do Turismo, Artes de Cultura de Gana em parceria com o Vale do Dendê e a BRAGH, dentro do projeto Experience Ghana Live, conta com produção executiva assinada pelo Instituto Afetto e BlueJay Produções e apoio da Prefeitura de Salvador.

A embaixadora de Gana, Abena Busia, destaca que o carnaval em Salvador possui elementos similares com alguns dos festivais e cerimônias realizadas em Gana. “A música percussiva, as fantasias nas vestimentas, os desfiles em grupos afrocentrados. Tudo isso nos é familiar. A Bahia tem muito da África, especialmente características de Gana, por isso é emocionante fazer esse intercâmbio”.

Ainda segundo a embaixadora, essa é mais uma iniciativa que visa incentivar a instalação de uma casa permanente em Salvador. “Empresários, artistas e produtores estão vindo de Gana para conhecer Salvador e fortalecer laços culturais, turísticos e comerciais entre Gana e o Brasil”

Público poderá fazer teste DNAfro e descobrir ancestralidade 

O público que visitar o Camarote Casa de Gana também poderá ter mais informações sobre sua ancestralidade através dos pacotes de testes genéticos DNAfro. Desenvolvido pela Genera e Brafrika Viagens,o teste mapeia as regiões de onde vieram seus ancestrais, com suas respectivas porcentagens, além de apresentar um relatório com diversas predisposições e características genéticas que podem interferir na saúde das populações afrodescendentes.

O teste é realizado a partir de uma amostra de saliva que é analisada em laboratório. O resultado sai em até 25 dias úteis e acompanha conteúdos e experiências relacionadas às regiões de ascendência detectadas no teste e também relatórios genéticos de saúde e bem-estar. O DNAfro foi desenvolvido pela geneticista Verena Silva Santos, equipe técnica da Genera e Bia Moremi, CEO e diretora criativa da Brafrika Viagens.

“Ao fazer o Teste DNAfro, você abre a possibilidade de celebrar a sua ancestralidade, sendo possível dizer qual é a África que vive em você. Além disso, nós criamos vivências sensoriais que proporcionam um entendimento maior da sua ancestralidade através da comida, da música e referências estéticas.”, destaca Bia Moremi, fundadora da Brafrika Viagens.

O teste de ancestralidade, saúde e bem-estar da Genera, junto com o Painel DNAfro, estará disponível para compra com preço promocional durante toda a programação do Camarote Casa de Gana.

As informações são de Gov.br e a foto de Nathane-Santana.

 

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.