Declaração do Secretariado Geral da Liga Árabe no 73º aniversário da Nakba

O 73º aniversário da Nakba é hoje. Em quinze de maio deste ano, o povo palestino ainda vive suas dolorosas consequências desde 1948, e a conseqüente realidade de diáspora, deslocamento e sofrimento contínuo, durante os quais foi submetido a um verdadeiro crime de limpeza étnica através do deslocamento de mais de 800 mil palestinos e da destruição de mais de 531 cidades e vilas completamente pelas gangues sionistas. Esta operação de limpeza foi acompanhada pela comissão dessas gangues, mais de 70 massacres que levaram ao martírio de mais de 15 mil palestinos.

O povo palestino ainda está sendo exposto, à vista de todo o mundo, aos crimes de sangue mais hediondos e aos mais ferozes ataques israelenses no âmbito da política de judaização e deslocamento forçado sistemático, como está acontecendo hoje no bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém, cerca de 28 casas e cerca de 500 famílias palestinas são obrigadas a deixar suas casas e as santidades islâmicas e cristãs são proibidas de profanar sua fé, os palestinos são proibidos de praticar seus rituais religiosos e há a invasão de colonos, com o incentivo e proteção do exército de ocupação israelense para violar a abençoada Mesquita de Al-Aqsa e atacar os palestinos na Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém, contra os palestinos do interior, destruir suas propriedades e ameaçar suas vidas, como parte dos planos e projetos de assentamento para capturar e judaizar a cidade de Jerusalém, além da agressão flagrante à a Faixa de Gaza sitiada Que levou à morte de 139, incluindo 39 crianças e 22 mulheres , e a lesão de mais de 1.000 outras pessoas, em violação ao sangue do povo palestino e de seus filhos, e uma violação e desrespeito por todos os valores humanos e normas e convênios internacionais.

Enquanto o Secretariado Geral da Liga dos Estados Árabes condena (o setor palestino e os territórios árabes ocupados) e condena veementemente os crimes de guerra e a agressão israelense contra o povo palestino, o bombardeio brutal da Faixa de Gaza e todas as medidas e esquemas de limpeza étnica praticado pelas autoridades de ocupação, especialmente em Jerusalém e seus bairros, ele responsabiliza as autoridades de ocupação israelenses por estes crimes. A guerra de agressão e práticas criminosas e esta perigosa escalada testemunhada por todos os territórios palestinos ocupados, e apela à comunidade internacional, membros do Quarteto, organizações regionais e internacionais e do Conselho de Segurança para assumir suas responsabilidades e intervir imediata e decisivamente para acabar com esta tragédia que começou em 1948 e para parar a guerra agressiva que visa a existência e o direito palestino e levantar a injustiça histórica para parar o sangramento de sangue palestino e da provisão de proteção para o povo palestino, e apela ao Tribunal Penal Internacional para acelerar suas investigações e trazer todos os funcionários israelenses responsáveis ​​por esses massacres e crimes que equivalem a crimes de guerra e crimes contra a humanidade a julgamento, fazer cumprir o direito internacional e alcançar a justiça que esteve ausente por décadas para deter as autoridades de ocupação e parar a política C da IFLA é uma punição que encoraja a ocupação a continuar sua agressão contra o povo palestino e seus direitos legítimos, e convida os atores internacionais a trabalharem para o lançamento de uma paz real caminho baseado em decisões de legitimidade internacional para encerrar a ocupação e permitir que o estado palestino independente com Jerusalém como sua capital exerça sua soberania.

Em face da firmeza e valor do povo palestino que tem lutado desde 1948 e os sacrifícios que fizeram para preservar e afirmar seus direitos legítimos, prestamos homenagem a eles por seus sacrifícios, heroísmo e firmeza, e sua coragem em resistir ao ocupação e seus planos, e confrontando todas as tentativas de arrancá-la de sua terra, sua pátria e sua adesão à sua identidade árabe. A Secretaria-Geral afirma seu total apoio a ele em sua luta e luta para restaurar todos os seus direitos legítimos que lhe são garantidos pelos fatos da história, princípios do direito internacional e decisões de legitimidade internacional, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação e a personificação de seu estado palestino independente e soberano com Jerusalém Oriental como sua capital.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.