A Jornalista Georgiana Calimeres lança o livro ¨A Biblioteca de Alexandria¨

                                                                                                    

Biografia: Georgiana Calimeris nasceu em Brasília em 1973 e se formou em Jornalismo porque gostava de escrever.Não é apenas uma brasiliense típica pois seu pai veio da Grécia e se instalou na cidade abrindo a primeira loja de roupa masculina da cidade.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Entrevista                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             Como você escolhe a história que vai desenvolver?

 

– Eu não escolho. Ela me escolhe. É como fantasma em Ghost que fica cantando aquela música sem parar. A história faz isso até começar a existir.

 

– Você está lançando um livro. Fale-nos sobre ele. Como o descreveria? E como foi o processo de criação?

 

– Sim, A Biblioteca de Alexandria. Conta a história de uma moça de 24 anos que tem seu mundo revirado do avesso ao descobrir que faz parte de um mundo de bibliotecários mágicos e que sua vida está em risco. No entanto, existem duas coisas sobre este livro: uma eu não tinha mais paciência para ler livros sobre meninas de 16 anos encontrando um amor para todo sempre e a outra coisa que me incomodava bastante era o fato de que Brasília é sempre mal falada pelo resto do país. Quis apresentar a cidade às pessoas sem o aspecto político. O livro surgiu de sonhos que tive com bibliotecas.

 

Como foi o processo de desenvolvimento de seus personagens? Você se inspirou em alguém de seu convívio para cria-los ou foram apenas fruto de sua imaginação?

 

– Bom, Angelique é o nome da minha bisavó, que foi quem criou meu pai. Quis fazer uma homenagem. Sim, eu me inspirei em uma pessoa e os amigos íntimos sabem quem é.

– Em quanto tempo conseguiu concluir sua obra?

– Este livro levou uma semana e eu tinha tempo para escrever. Ele já rodava em segundo plano há muito, pois, encontrei um rascunho de uma outra história com um enredo bem similar. Só estava esperando a hora de germinar. Eu dou tempo para as obras quererem nascer. Se apressar o nascimento dela, parece que tem algo errado.

Para lançar esta obra você criou uma campanha de financiamento coletivo na internet e utilizou as redes sociais para divulgação. Como foi a experiência?

– Foi uma grande surpresa. Eu criei a vaquinha porque uma amiga leu o livro virtual e pediu o físico. Então, eu fui naquela “vai que…” e foi. Começo de agosto, devo fazer uma noite de autógrafos para poucas pessoas e fazer uma pré-venda. No entanto, a capa desta edição é exclusiva e foi feita pelo artista Jefferson Rayff. Este livro também não seria possível sem a Ge Benjamim, que fez a diagramação e o design.

Você tem projetos para um próximo livro?

– Sempre. Devo escrever o segundo de Angelique Duncan e já tenho algumas obras saindo pelo selo editorial Livros Prontos, que trabalha apenas com e-books.

Quem é Angelique Duncan para você?

– Várias versões de mim mesma e ela também não sou eu. É uma personagem muito humana e que falha e é justamente isso que mais gosto nela: não é perfeita!

Você separa acontecimentos reais e fictícios? Você separa a sua vida real da história ou é tudo junto?

– Acredito que tudo acaba entrando em uma história de um jeito ou de outro. Jung diz que somos guiados pelo inconsciente. Não somos donos de nós mesmos. Dentro do que compreendo, as experiências estão ali, de alguma forma, por estar no nosso inconsciente e nós as usamos e quando não são experiências nossas, usamos o inconsciente coletivo.

O que você leva em consideração na hora da escolha do título de seus livros?

– Não tem uma pergunta mais fácil? Odeio dar nomes aos livros. Para mim, é a parte mais difícil.

Que reação você espera dos seus leitores ao concluírem A Biblioteca de Alexandria?

– Que eles tenham gostado. O escritor se desnuda nas suas palavras. Li uma vez que precisamos de plateia, precisamos de alguém que nos veja e o modo como somos vistos é por meio da escrita.

Você também pretende lançar a versão em inglês deste livro. Qual a sua expectativa?

– Espero conseguir entrar no mercado de língua inglesa. No entanto, é começar com passinhos de formiga e tentar conquistar o público como estou fazendo aqui.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.