Trump proíbe voos da China para os EUA em meio a tensões devido ao coronavírus e Hong Kong

Brasília, 13h30min

O governo Trump ordenou uma suspensão de vôos na quarta-feira da China para os Estados Unidos, à medida que as tensões aumentam entre os dois países sobre o coronavírus e Hong Kong.

A ordem, que entra em vigor em 16 de junho, decorre da recusa da China em permitir que as transportadoras americanas voltem a voar para a China. Atualmente, quatro companhias aéreas chinesas voam para a China a partir dos EUA: Air China, China Eastern, China Southern e Xiamen.

O presidente Donald Trump impôs restrições de viagem à China em 31 de janeiro, quando o coronavírus começou a se espalhar no início deste ano. Sua decisão foi tomada depois que a Delta, a American e a United e outras grandes transportadoras internacionais pararam de voar para a China por causa do surto.

No início de janeiro, as companhias aéreas dos EUA e da China operavam 325 voos regulares por semana entre os dois países. Em meados de fevereiro, quatro companhias aéreas chinesas operavam 20 vôos por semana. Em meados de março, as transportadoras chinesas aumentaram seus vôos semanais para 34.

Em uma decisão de 26 de março, a agência de aviação civil da China limitou as companhias aéreas estrangeiras a um voo semanal para a China, com o objetivo de conter a propagação do coronavírus.

Duas grandes operadoras americanas, Delta e United, pressionaram as autoridades chinesas a permitir que retomassem o serviço, sem sucesso. As operadoras pretendiam reiniciar o serviço na China no início de junho.

“Estamos ansiosos para retomar o serviço de passageiros entre os Estados Unidos e a China quando o ambiente regulatório nos permitir”, disse Leslie Cooper, porta-voz da United.

“Apoiamos e apreciamos as ações do governo dos EUA para fazer valer nossos direitos e garantir justiça”, disse Lisa Hanna, porta-voz da Delta.

A aviação comercial entre os dois países é regida por um acordo de 1980 que garante uma oportunidade igual de operar vôos regulares em rotas específicas.

A última ação do governo Trump ocorre em meio a crescentes tensões entre os EUA e a China, que alguns alertaram sobre uma nova “guerra fria” entre as duas maiores economias do mundo.

Trump acusou a China de encobrir o coronavírus, sugeriu que o governo pode ter permitido a propagação da doença e ameaçou extrair um preço “substancial” de Pequim para a pandemia. E na semana passada, Trump criticou a China pela medida do presidente Xi Jinping de impor novas restrições a Hong Kong, com o objetivo de sufocar o movimento pró-democracia do território.

As autoridades chinesas acusaram o governo Trump de ignorância deliberada, má administração perigosa e até tentaram “chantagem”. Em resposta às críticas do governo Trump à sua repressão em Hong Kong, as autoridades chinesas apontaram para a agitação nos EUA pela morte de George Floyd, um homem negro que morreu depois que um policial branco se ajoelhou em seu pescoço.

“Não consigo respirar”, twittou Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China na semana passada, ecoando as palavras de Floyd durante o encontro policial.

Seu tuíte veio depois que a porta-voz do Departamento de Estado pediu ao mundo que “responsabilizasse o Partido Comunista Chinês, que violou flagrantemente suas promessas ao povo de Hong Kong”.

Alguns especialistas temem que as tensões em espiral possam comprometer o acordo comercial que Trump e o vice-primeiro-ministro chinês Lui assinaram na Casa Branca em janeiro – um acordo de “primeira fase” que, segundo autoridades da Casa Branca, seria seguido por um pacto mais amplo sobre questões mais controversas.

Não está claro se a China estará disposta ou será capaz de cumprir seus compromissos no acordo da primeira fase, que incluiu a promessa de comprar US $ 200 bilhões extras em bens e serviços americanos nos próximos dois anos.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.