O Paraguai foi primeiro país da América do Sul a exigir a quarentena por causa do Covid-19 e tem o menor número de infectados

Foto: Jornalista Fabiana Ceyhan/ Brasilia 2019

O primeiro país a pedir o confinamento registrou 159 casos e sete mortes por coronavírus. Apenas três pessoas infectadas são hospitalizadas. O que esses resultados explicam?

O Paraguai é o país com o menor número de casos de coronavírus na América do Sul, fato que as autoridades de saúde atribuem às rigorosas medidas de isolamento social que estão em vigor há mais de um mês, mas que também pode ser devido ao número limitado de testes realizados por um sistema de saúde frágil.

O país de quase 7 milhões de habitantes registrou 159 casos e sete morreram até terça-feira. Apenas três pessoas infectadas foram hospitalizadas, das quais uma estava em terapia intensiva, segundo dados do Ministério da Saúde Pública.

A fraca conectividade do Paraguai pode ter um papel, mas o cumprimento das medidas de distanciamento físico por parte da população foi decisivo, disse à Reuters Luis Alberto Escoto, representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) no país.

“O melhor resultado pode ser atribuído à adoção (dessas medidas) e à atitude da população, apesar de viver em um contexto difícil, de desigualdades, de pobreza”, afirmou Escoto.

O Paraguai foi o primeiro país da América do Sul a decretar o fechamento de escolas e a suspensão das atividades de participação em massa na segunda semana de março. Logo depois, fechou as fronteiras, os aeroportos e ordenou uma quarentena total da população, com poucas exceções.

A polícia e a polícia militar vigiam as ruas e as lojas, e a acusação iniciou um processo judicial contra mais de mil pessoas por violar as restrições. Escoto disse que manter os supermercados abertos todos os dias ajudou a evitar multidões em busca de comida.

No entanto, o país também é um dos menos testados: 26,2 testes por 100.000 habitantes, de acordo com a OPAS / OMS. O déficit está relacionado à escassez global de reagentes e à falta de pessoal qualificado para realizar os testes, mas, na opinião de Escoto, não seria um grande problema. “Se é a ponta do iceberg que estamos vendo, é uma ponta que não deve nos assustar tanto, porque vemos que emergências, hospitais e unidades de terapia intensiva não estão sob pressão”, disse ele.

O Paraguai também teve dificuldade em comprar ventiladores e equipamentos de proteção para o pessoal médico, motivo pelo qual o presidente Mario Abdo estendeu a quarentena na noite de segunda-feira.

“Existe uma subnotificação certa. Mas a ausência de mortalidade ou de casos graves que saturam o sistema sugere que ainda não há transmissão exponencial da comunidade “, afirmou o senador e ex-ministro da Saúde, Esperanza Martínez.

O país emprega menos de 3% do PIB em cuidados de saúde, com apenas 1,2 leitos por 1.000 habitantes, incluindo os do setor privado.

Para uma emergência, o Ministério da Saúde espera responder com cerca de 300 leitos em terapia intensiva e 1.200 em enfermarias regulares.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.