Ex-presidente americano,Barack Obama emite declaração sobre George Floyd ( Morto em Minesotta)

“Isso não deveria ser “normal”, escreveu o ex-presidente.

O ex-presidente Barack Obama divulgou uma declaração sobre George Floyd, um homem negro que morreu após ser detido pela polícia em Minneapolis.

“Isso não deveria ser ‘normal’ na América de 2020”, escreveu ele. “Não pode ser ‘normal’. Se queremos que nossos filhos cresçam em uma nação que cumpre seus ideais mais elevados, podemos e devemos ser melhores”.

Obama disse isso em referência ao ponto de que muitas pessoas na América gostariam que a vida voltasse ao “normal” diante da pandemia de coronavírus. Mas, escreveu ele, “ser tratado de maneira diferente por causa da raça é tragicamente, dolorosamente, irritantemente “normal” para milhões de americanos.

Essa diferença, escreveu ele, ocorre “seja ao lidar com o sistema de saúde, ou interagir com o sistema de justiça criminal, ou correr pela rua, ou apenas observar pássaros no parque”. Esses dois últimos pontos aparentemente se referem a Ahmaud Arbery, um negro de 25 anos que foi baleado e morto por dois homens brancos em uma corrida na Geórgia em fevereiro, e um incidente no Central Park de Nova York nesta semana em que um homem branco uma mulher chamou a polícia em um homem negro que pediu para ele levar o cachorro para ela.

Floyd morreu depois de ser preso pela polícia na segunda-feira. Um vídeo que viralizou, mostra um policial prendendo o joelho no pescoço de Floyd enquanto ele está no chão, dizendo: “Não consigo respirar”. Os quatro policiais envolvidos foram demitidos e as investigações estão em andamento. Nenhuma cobrança ainda foi anunciada.

Sua morte sob custódia policial levou a indignação em todo o país e protestos em muitas cidades, inclusive em Minneapolis, onde a violência eclodiu durante várias noites nesta semana.

No comunicado que ele postou na mídia social na sexta-feira, o ex-presidente também mencionou conversas que ele “teve com amigos nos últimos dois dias sobre as imagens de George Floyd morrendo de bruços na rua, sob o joelho de um policial em Minnesota. “

Essas conversas incluíam um e-mail de “um empresário afro-americano de meia-idade” que escreveu: “‘o joelho no pescoço’ é uma metáfora de como o sistema detém tão negativamente os negros, ignorando os pedidos de ajuda”.

Ele também fez referência a um vídeo de Keedron Bryant, de 12 anos, cantando uma canção gospel com letras escritas por sua mãe sobre ser um jovem negro nos Estados Unidos, e escreveu que Keedron e o amigo de Obama compartilham a mesma “angústia” que o próprio Obama e “milhões de outros”.

Por fim, escreveu Obama, cabe às autoridades de Minnesota investigar minuciosamente e buscar justiça pela morte de Floyd. Mas, escreveu ele, cabe a todos “trabalhar em conjunto para criar um ‘novo normal’ no qual o legado do fanatismo e do tratamento desigual não mais contagie nossas instituições ou nossos corações”.

O presidente Donald Trump disse na quinta-feira que não falou com a família de Floyd, mas que se sente “muito, muito mal” e que o que viu no vídeo da morte de Floyd “não foi muito bom”. O procurador-geral Bill Barr e Trump estão monitorando uma investigação do Departamento de Justiça, segundo autoridades.

Na manhã de sexta-feira, o presidente twittou sobre os protestos em Minneapolis, dizendo que “bandidos estão desonrando a memória de George Floyd” e, referindo-se aos militares, que “quando o saque começa, o tiroteio começa”. Este tweet foi sinalizado pela plataforma de mídia social como “glorificando a violência”.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.