Na Cúpula do G77+China, secretário-geral da ONU foca na reforma de instituições globais

António Guterres assinalou falhas na criação de rede de segurança para países em desenvolvimento que enfrentam dificuldades

O secretário-geral da ONU está entre os líderes e representantes do G77+China reunidos em Kampala, Uganda. A maior organização intergovernamental das nações em desenvolvimento promove os interesses econômicos do Sul Global.

Discursando no evento, neste domingo (21), António Guterres disse que o sistema financeiro global não conseguiu proporcionar uma rede de segurança aos países em desenvolvimento que enfrentam dificuldades.

Economia hesitante

A proposta do líder das Nações Unidas é que seja feita a reforma dessas instituições para que se tornem “verdadeiramente universais, reflitam as realidades atuais  e respondam muito melhor às necessidades” do grupo de nações.

Guterres descreveu um panorama global de erosão da  democracia, aumento do  populismo e do extremismo, aliado ao clima que está aquecendo, ao desmoronamento da confiança nas instituições de todos os tipos e a uma economia hesitante.

representantes do G77+China reunidos em Kampala, Uganda
ONU/Monicah Aturinda Kyeyune – representantes do G77+China reunidos em Kampala, Uganda

O chefe da ONU citou desde o Conselho de Segurança ao sistema de Bretton Woods ao defender que instituições globais refletem a realidade do mundo há 80 anos quando países africanos estavam colonizados, o que não se ajusta ao propósito.

Terrorismo e crime transnacional

Em relação ao Conselho de Segurança, ele questionou como se pode aceitar que ainda não haja um único membro permanente africano. Ele caracterizou o atual sistema financeiro global como “ultrapassado, disfuncional e injusto”.

A expectativa do chefe da ONU é que a Cimeira do Futuro, agendada para setembro. Para ele, o foco na actualização destas instituições ajudará a alinhá-las ao mundo atual e a dar resposta a desafios associados a desafios essenciais dos países em desenvolvimento.

Guterres mostrou otimismo sobre a análise da Nova Agenda para a Paz da ONU. A proposta estabelece iniciativas em torno de temas como desarmamento, prevenção de conflitos, combate ao terrorismo e crime transnacional, além da gestão das ameaças à segurança, incluindo as representadas pela inteligência artificial.

100 dias após o início do conflito na Faixa de Gaza 

O chefe da ONU destacou ainda os 100 dias após o início do conflito em Gaza. Guterres enfatizou que a recusa de Israel em acolher a solução de dois Estados para israelitas e palestinianos é “totalmente inaceitável”.

Para ele, negar aos palestinianos o direito à condição de Estado “prolongaria indefinidamente um conflito que se tornou uma grande ameaça à paz e segurança globais”.

O secretário-geral reiterou ainda seu apelo à libertação incondicional de todos os reféns detidos pelo Hamas e advertiu sobre a possibilidade de propagação do conflito pela região do Oriente Médio.

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.