Músico brasileiro se apresenta no Kuwait, lota casa de shows e é aplaudido de pé pelo público estrangeiro

Da Redação

O  músico brasileiro Leo Gandelman, foi aplaudido de pé  pelos kuwaitianos no  Centro Cultural Yarmouk, na Cidade do Kuwait, nesta quarta-feira (10). A série de espetáculos “Waves of Brazil” é uma iniciativa da embaixada brasileira no Kuwait, e já contou com apresentações de Reco do Bandolim e Grupo Choro Livre  de Francis e Olívia Hime e Yamandu Costa. A iniciativa da embaixada brasileira, segundo a  conselheira  Claudia Assaf,  diplomata brasileira, chefe do setor cultural,  aconteceu de forma criativa contando com parcerias locais estratégicas para que o evento pudesse ser um sucesso. Entre os parceiros importantes está  o centro cultural estatal kuwaitiano. Gandelman e sua banda interpretaram composições do próprio músico e de outros ícones da música popular brasileira, como Luiz Bonfá, Antonio Maria, Carlos Lyra, Geraldo Vandré, Edu Lobo, Baden Powell, Tom Jobim, Vinícius de Morais e outros.

O compositor deu ainda entrevistas para emissoras de TV e rádio do país árabe. Assista abaixo sua entrevista para o programa Hala Kuwait (em inglês), a partir de 12’30’’.

Gandelman falou com Fabiana Ceyhan de forma exclusiva e explicou que o seu saxofone é como se fosse um membro da família, tem um valor sentimental. Ele disse também que durante um certo período de sua vida ,acreditou que  a música não lhe renderia frutos e começou a trabalhar como fotógrafo e também para uma revista, ficou por 4 anos na área de comunicação até retornar para  a sua verdadeira paixão: a música! Léo deixou tudo de lado e se dedicou ao saxofone.

Sobre o músico:

Leonardo Gandelman, mais conhecido como Leo Gandelman, (Rio de Janeiro10 de agosto de 1956) é um saxofonistaflautistacompositorarranjador e produtor musical brasileiro.

Filho de uma pianista clássica e de um Maestro, Leo Gandelman começou seus estudos musicais com seis anos de idade. Aos 15 anos apresentou-se como solista da Orquestra Sinfônica Brasileira nos “Concertos da Juventude”. Trafegando livremente entre o clássico e o popular, Leo vem desenvolvendo uma carreira de grande sucesso tanto na música popular brasileira, quanto na música de concerto. Já interpretou peças como Fantasia para Sax Soprano e Orquestra de Villa-LobosConcertino para Sax Alto e Orquestra de Radamés GnattaliRapshodia para Orquestra e Sax Alto de DebussyConcertino para Sax Alto de Jacques Ibert, entre outros.

Já participou do trabalho de inúmeros artistas da MPB, é compositor e intérprete de trilhas marcantes para TV e cinema. Seus discos já venderam um total de mais de 500.000 mil cópias, sendo Solar o de maior sucesso. Leo Gandelman nasceu em uma família de músicos. Filho de Henrique Gandelman (violonistamaestrodiretor artístico da gravadora CBS – atual Sony – e advogado da área de direitos autorais) e de Saloméa Gandelman (professora de piano e fundadora da Escola de Música Pró-Arte-RJ, Coordenadora de pós graduação na Unirio, além de autora de livros sobre técnicas musicais). Suas irmãs também não escaparam do mundo da música, Lia Gandelman foi oboísta da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal durante 15 anos e Marisa Gandelman, pianista e educadora musical, é hoje diretora da UBC.Iniciou seus estudos musicais (piano, flauta doce e musicalização) aos seis anos de idade. Aos 15, se apresentou como solista da Orquestra Sinfônica Brasileira nos “Concertos da Juventude”. Estudou também viola de gamba e participou junto com suas irmãs, Jaques Morelembaum, Myrna Herzog, Helder Parente e outros do grupo “Pro Arte Antiqua”, pelo qual fez suas primeiras apresentações em público. Leo se afastou da música, mas retornou alguns anos mais tarde graças ao saxofone. Em 1977, ingressou na Berklee College of Music (BostonEUA) onde estudou saxofone, composição e arranjo.Em 1979 voltou ao Brasil iniciando sua vida profissional na noite e, logo em seguida, se viu como um dos músicos de gravação mais solicitados do país – Leo chegou a participar da gravação de mais de 800 álbuns diferentes em um período de apenas 10 anos. Seu primeiro grupo se chamou “Avenida Brasil”, formado por Leo, Serginho Trombone, Bidinho e Zé Carlos Bigorna. Em 1984, escreveu a trilha sonora do longa-metragem Rádio Pirata, de Lael Rodrigues