Matéria da Agência chinesa de notícias afirma que politizar programa do Instituto Confúcio é prejudicial aos laços de longo prazo China-EUA

Pequim- Xinhua

A exigência do governo norte-americano de que o Centro dos EUA do Instituto Confúcio se registre como missão estrangeira não é nada menos que uma politização das trocas educacionais entre os dois países.

A mudança ocorre depois que algumas organizações de mídia chinesas nos Estados Unidos também haviam sido designadas como missões estrangeiras anteriormente. Impulsionado por uma mentalidade de Guerra Fria, um passo tão prejudicial danificará ainda mais a confiança mútua e a cooperação entre a China e os Estados Unidos.

Inaugurado em 2013, o Centro dos EUA do Instituto Confúcio é uma instituição educacional sem fins lucrativos que apoia o ensino e a aprendizagem da língua e da cultura chinesas nos Estados Unidos para uma compreensão transcultural mais profunda e desenvolvimento da linguagem.

Todos os Institutos Confúcio nos Estados Unidos baseiam-se na participação voluntária das universidades norte-americanas e foram estabelecidos conjuntamente de acordo com os princípios de respeito mútuo, consulta amigável, igualdade e benefício mútuo das universidades chinesas e americanas. O funcionamento diário e a gestão desses Institutos Confúcio observam as leis locais e são transparentes.

Em desconsideração do papel da organização na promoção da compreensão mútua entre os dois povos, a administração dos EUA demonizou e estigmatizou o funcionamento normal do programa do Instituto Confúcio e vem tentando criar uma atmosfera de medo no campo das trocas educacionais, apenas para servir à agenda estratégica norte-americana de conter a China.

A administração estadunidense intensificou seu ataque a empresas chinesas de alta tecnologia e negócios comerciais e agora está armazenando confrontos ideológicos no setor educacional e cultural, outro movimento perigoso para desacoplar os dois países.

Reduzir as oportunidades de compreensão cultural e aprendizado mútuo entre os dois povos levará à destruição das relações bilaterais de longo prazo.

Tal histeria é um sinal de alerta que exige cautela, já que políticos egoístas e de mente estreita estão roubando o futuro da relação China-EUA.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.