Entrevista com a arquiteta européia Ayara Mendo : sobre a palestra “Quando o design incorpora a eficiência” Apoio: Embaixada da Itália

 

 

Esteve em Brasília para ministrar uma palestra durante o evento” Design Criativo” que aconteceu esta semana , no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, a arquiteta espanhola, Ayara Mendo. O Brasília in Foco através do apoio da embaixada da Itália no Brasil conseguiu uma entrevista com  ela , que hoje reside na cidade do  Rio de Janeiro.

Sobre a Arquiteta:

Ayara nasceu na Espanha, na cidade de Salamanca e viveu e estudou em Alicante, passando uma parte de sua vida também em Barcelona. Hoje vive e trabalha no Rio de Janeiro, onde é coordenadora do curso Master Design de Espaço no Instituto Europeu de Design. Ayara veio á Brasília a convite da embaixada da Itália para palestrar sobre a história da arquitetura da   sede da embaixada e nos contou detalhes muito peculiares e interessantes.

 Entrevista com Ayara Mendo:

Fabiana Ceyhan- Ayara, conte-nos um pouco sobre a sua vida, sobre a sua chegada ao Brasil e sobre a Arquitetura

-Desde pequena sempre fui uma pessoa muito criativa, que desenhava muito bem, ganhava prêmios na escola e tinha muita curiosidade de conhecer coisas diferentes, até que , com a influência do meu pai, que  estudou arquitetura e acabou não concluindo o curso , decidi estudar arquitetura. Estudei arquitetura em Alicante, na Espanha,  já em Alicante a formação foi muito interessante pois a proposta já  era da superação do paradigma do modernismo, já estávamos em fase de superar  o discurso tradicional. Depois me mudei para Barcelona, e nesta passagem por Barcelona eu tive uma relação multicultural com o mundo e conheci várias pessoas de diferentes origens.  Dividi moradia com japoneses, africanos, europeus de outros países e isso transformou o meu olhar, comecei a ver o mundo sob  diferentes aspectos e conceitos, vivi a pluralidade das culturas  e gostei das diferenças.

Arquitetura na Espanha: O curso de arquitetura na Espanha habilita o profissional a construir prédios e assinar o projeto de toda a obra, diferente do Brasil , onde é necessário que um engenheiro civil seja o responsável pela obra. A Arquitetura envolve a matemática, conhecimento científico pois estamos tratando de estruturas, mas há   também a arte, a poesia e através dela modificamos os espaços e adequamos este espaço para que as pessoas possam se sentir bem naquele ambiente.

Fabiana Ceyhan-  Explique-nos sobre o conceito de Design Criativo

Ayara-

Em suma, devemos compreender profundamente a origem do material para projetar a partir de sua originalidade. Eficiência significa aplicar uma racionalidade geométrica máxima ao pensamento espacial, perceber que a supressão de medidas possíveis possibilita a redução do detalhe na sua mínima expressão. Ao mesmo tempo, mediante a omissão de tamanhos e dimensões também reduzimos o desperdício do material. Sustentabilidade
compreendida com base no uso eficiente da matéria-prima: suas medidas, geometrias e detalhes construtivos são pautados pela racionalidade da sua própria essência. Quando todas as medidas estão em relação se constrói um sistema de medidas. A condição de um único material não significa uma ação inibidora das diferenças, pelo contrário, é uma oportunidade para incorporar nuances ou até mesmo novos contrastes que enfatizam os limites espaciais e agrupamentos geométricos. Temos um exemplo na própria natureza, é bom olhar sempre a natureza, e o caso mais comum é o exemplo do ovo onde um casca fina que sustentente   a carga interior , a casca sustenta como a estrutura, temos que entender as formas  da natureza, pois ela nos revela muitas coisas.

Fabiana Ceyhan- Sua percepção e opinião  sobre   o Rio de Janeiro:

 

Ayara-

O Rio, como  o Brasil tem diferentes lógicas, não tem uma ordem que controla o espaço, mas mesmo assim as coisas funcionam . A cidade tem uma potência geográfica enorme , o encontro entre a montanha, a àgua e a terra,  é  onde nasce a beleza do local. Uma relação de amor , sou apaixonada pelo Rio , desde a primeira semana. O Rio tem todas as questões de diferentes lógicas, sincretismo , diferentes matrizes.  O Rio tem uma série de belezas que não é uma  cidade ordenada, quadrada, planejada, como muitas  cidades europeias,  até mesmo por causa da própria geografia da cidade,  mas o Rio condensa uma série de mundos diferentes que convivem juntos  . A cidade  Tem   muitos problemas a que precisam de  solução, mas é um lugar que inspira a criação,   a criação vem da diferença , de diferentes ideias e  diferentes pensamentos e pessoas que vivem juntas.Se todos tivessem a mesma opinião, e pensassem da mesma forma, não existiria a criação, a criação  nasce nas divergências de opiniões

  Fabiana Ceyhan – Sua Opinião sobre Brasília:

Ayara-

Uma cidade totalmente diferente e interessantíssima para os arquitetos. Lúcio Costa criou uma narrativa onde juntou a arquitetura barroca, colonial com o modernismo é uma narrativa própria brasileira que cria Brasília. A construção da  capital foi necessária para  colocar ordem e dar uma identidade ao país , a arquitetura traz todas as questões de funcionalismo, de vegetação propriamente brasileira. Brasília  tem uma arquitetura moderna brasileira própria. Dentro do modernismo não existe nada como Brasília, que é realmente uma cidade muito interessante.

 

 Fabiana Ceyhan:  Por favor fale um pouco  sobre o prédio da  embaixada da Itália e a sua construção:

                                                                                                                                                            

Ayara-O Governo Brasileiro cedeu os lotes para as Embaixadas á época , porém pediu que a construção fosse adequada á modernidade da cidade e de seu projeto.  O governo Italiano convidou o  engenheiro e arquiteto Italiano Pier Luigi Nervi que  foi o responsável pelo projeto.

Luigi patenteou seus métodos de construção no período da segunda guerra ,  pois  só poderia construir com produtos de origem italiana devido a dificuldade  em  importar produtos de outros países, sendo assim ele criou o ” concreto armado “.

O projeto de Luigi , hoje sede da embaixada, foi encomendado em  1969 e  entregue em 1974,  e depois uma construtora brasileira ,a Irfasa  concluiu o trabalho, em mais ou menos 3 anos,  no entanto, eles acompanharam toda  a obra, o studio Nervi(Empresa de Engenharia e arquitetura) com os filhos  de Pier Luigi, que também eram engenheiros e arquitetos.  N aquela época não se falava em sustentabilidade, mas o Luigi já trabalhava com esta ideia , porém com  outra denominação.

Trazer a questão  de como a sustentabilidade  é importante , pois muitos pensam que dentro da arquitetura  ela é entendida como um acessório final , porém o  design criativo fala de eficiência ,  “Quando o design incorpora a eficiência ” .  A sustentabilidade deve estar presente desde o início da obra , e na decisão do uso de materiais. È importante trazer o conceito de eficiência desde o início do projeto, no processo criativo e este era o conceito dele, desde a década dos anos 30, ele trabalhou com o concreto armado de uma forma totalmente  eficiente. Luigi chamou a atenção do mundo inteiro quando construiu o Estádio Artêmio Franchi na cidade italiana de Florença.

                                                                                                                                                                                     

Com sua ultima obra,  ( O prédio da embaixada),Nervi consolida sua principal contribuição ao movimento moderno, uma atitude rigorosa frente ao conhecimento da técnica. O processo criativo de Nervi é pautado pelo conhecimento continuo da matéria; em cada projeto ele implementou e experimentou uma original proposta estrutural. Nervi incorpora a eficiência nos seus projetos, que se concretiza na racionalidade geométrica do seu pensamento espacial. A partir deste exemplo será abordada uma concepção de sustentabilidade com base no uso eficiente da matéria prima.

 

Fotografia: Cidália Varela

Sobre o Arquiteto e suas obras:

 

Pier Luigi Nervi (Sondrio21 de junho de 1891 — Roma9 de janeiro de 1979) foi um engenheiro civil italiano.

Estudou na Universidade de Bolonha, onde qualificou-se em 1913. Lecionou engenharia da Universidade de Roma “La Sapienza”, de 1946 a 1961.

 

The Tour de la Bourse in Montreal (1964)