Embaixada de Luxemburgo lança selo em homenagem aos 110 anos de laços diplomáticos

O embaixador do Grão-Ducado de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger, recebeu um grupo de seletos convidados, na tarde de 16 de dezembro para o lançamento do selo que comemora 110 anos de laços diplomáticos entre os dois países.

Luxemburgo ficou conhecido como “País das Rosas”. Em 1855, dois jardineiros, Jean Soupert e Pierre Notting, e mais tarde os irmãos Ketten e Charles Gemen, especializaram-se no cultivo de rosas em Limpertsberg. No início dos anos 1900, Luxemburgo se tornou um centro de criação de rosas e exportou até 10 milhões de plantas todos os anos em todo o mundo, incluindo o Brasil, para os jardins do Rio! Hoje, é possível admirá-las caminhando pelos jardins da fortaleza histórica da cidade de Luxemburgo.

O selo comemora 110 anos de relações diplomáticas entre Brasil e Luxemburgo, com flores e plantas características dos países. A delicadeza das rosas luxemburguesas e a inimitável opulência tropical brasileira formam um espectro estético que representa as belezas dos dois países. Aqui, elas ilustram a longa história de amizade que os une.

O desenho do selo, feito em aquarela pela Sra. Lidia Marina Hurovich Neiva (Correios), é baseado em um esboço elaborado pelo Sr. Stephan Dierckx (Embaixada de Luxemburgo no Brasil). Seu lançamento ocorreu em 16 de dezembro de 2021.

Do lado de Luxemburgo, as três rosas representadas foram criadas em homenagem aos seguintes Chefes de Estado:

Grã-duquesa Charlotte (1919-1964), cor: vermelho salmão

Grand-Duc Jean (1964-2000), cor: vermelho cereja com centro branco

Grão-Duc Henri (desde 2000), cor: rosa damasco

O Brasil é ilustrado por sua rica e variada vegetação tropical; uma helicônia e, à sua direita, a impressionante vitória-regia com suas flores.

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.