Embaixada da Palestina no Brasil realiza cerimônia¨ Al Nakba¨ e países da Liga Árabe marcam presença.

A Embaixada da Palestina organizou a  Cerimônia, Al Nakba , considerada a catástrofe de 1948. Em seu discurso, o representante da embaixada no Brasil, afirmou que  há exatamente 70 anos, no dia 15 de maio,  vários palestinos foram expulsos de seus lares, de suas terras  e foi iniciado contra eles uma limpeza étnica. Segundo ele, este povo nunca  teve o direito de retornar as suas terras e se tornou a maior população refugiada no mundo.

¨Apesar de todas as injustiças contra os palestinos, nós desejamos a paz, o que não significa esmola ou presente.  A paz é necessidade vital para todos , caso contrário, o país continuará vivendo uma guerra de extermínio ¨ concluiu o representante.

O Embaixador brasileiro Fernando de Abreu(Itamaraty) esteve  presente e enfatizou em seu discurso que o apoio do Brasil á causa palestina permanece o mesmo.

Embaixadores de diversos países  árabes estavam presentes e o embaixador da Liga  Àrabe, Nacer Alem e o embaixador do Catar Mohammed Ahmed Hassan Alhayki, discursaram em favor da causa . O embaixador do Catar falou para o Brasília In Foco sobre o apoio do Brasil , que considera a posição do país  honorável, de acordo com as resoluções  da ONU e  leis internacionais ¨O Catar aprecia muito a posição do Brasil em relação á palestina, é uma posição humana, de direitos humanos, de apoio ao povo palestino em relação ao direito  de ter seu próprio estado, é uma apreciação á paz, a posição brasileira nesta questão. concluiu o embaixador

No final do evento os embaixadores se reuniram e plantaram uma árvore chamada oliveira palestina.

 

 

 

 

 

 

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.