Dia das Forças Armadas da República da Polônia é comemorado em 15 de agosto pela embaixada em Brasília

Parlamentares, autoridades civis , militares e representantes do corpo diplomático, participaram da cerimônia por ocasião do Dia das Forças Armadas da República da Polônia, que aconteceu na embaixada do país na capital federal. A comemoração deste ano é especial porque celebra- se o 20° aniversário de adesão à OTAN e o  80º aniversário da eclosão da segunda guerra mundial. Uma guerra que para  os poloneses tem um significado particularmente traumático porque  foram ceifadas   milhões de vidas e  o país ficou arruinado.

Na história, o dia 15 de agosto é dia a vitória do exército polonês,  e uma data que a Polônia homenageia sua nação. Em 15 de agosto de 1920, nas proximidades de Varsóvia, ocorreu uma batalha, na qual o exército polonês, comandado pelo Marechal Józef Piłsudski, conseguiu uma vitória contra o exército vermelho e  conquistou sua  independência.

Como parte da aliança – OTAN, a  polônia participa  ativamente em missões nos Bálcãs, no Afeganistão, Iraque, no Mediterrâneo como parte da operação aliados da OTAN e periodicamente desde 2006 na Lituânia, Letônia e Estônia – na defesa das fronteiras aereas da OTAN.Desde 1953, as Forças Armadas polonesas participam ativamente de missões da ONU – mais de 115.000 soldados poloneses participaram de 92 missões diferentes, e no outono deste anoa  unidade motorizada começa seu serviço na missão de paz da UNIFIL no Líbano.As Forças Armadas da Polônia também participam  na implementação da Cooperação Estrutural Permanente da União Européia no domínio da segurança e defesa. Atualmente participamos de 6 missões militares e 10 civis envolvendo aproximadamente 4.000 pessoas.

 

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.