Data Nacional do Azerbaijão é comemorada em Brasília

A República do Azerbaijão comemorou 101 anos de sua  independência, e  devido as relações de laços fortes com o Brasil, a importante data foi também celebrada em Brasília. O embaixador Elkhan Polukhov e a missão diplomática do Azerbaijão no Brasil, recebeu convidados do governo brasileiro, embaixadores estrangeiros e amigos do Azerbaijão para comemorar com um coquetel no dia 06 de junho.  Em seu discurso explicou um pouco sobre seu país , sobre a história e as questões atuais, assim como as relações com o Brasil.

Confira na  Integra o discurso do Embaixador Elkhan Polukhov ao público presente na recepção:

Gostaria de dar as boas vindas a todos na nossa recepção dedicada ao Dia da República – dia da independência da República do Azerbaijão. Este ano marcamos não apenas os 101 anos de Independência do Azerbaijão, mas também celebramos os 100 anos do Serviço Diplomático do meu país. No dia 28 de maio de 1918, a República Democrática do Azerbaijão, a primeira democracia secular do mundo muçulmana foi proclamada. Em 1991, após o colapso da União Soviética, o Azerbaijão restaurou sua independência e imediatamente enfrentou muitos desafios externos e internos, mas devido à visão
estratégica e a sábia política de Heydar Aliyev, líder nacional do Azerbaijão, o país conseguiu superar esses desafios e alcançar estabilidade e prosperidade.

Hoje, o Azerbaijão, sob a liderança do Presidente Ilham Aliyev, tornou-se um dos países mais estáveis politicamente e economicamente da região e do mundo. Através da obras de energia transregionais, transporte, infraestrutura logística e muitos outros projetos, o Azerbaijão tornou-se um líder regional e agora representa mais da metade do PIB da região do Sul do Caucaso.

Localizado no cruzamento de culturas e civilizações, oAzerbaijão, cujo território fazia parte da antiga Rota da Seda,abriga hoje uma sociedade moderna e secular que se orgulha de sua diversidade.Infelizmente, um dos principais desafios que o Azerbaijão enfrenta, é que há mais de 28 anos a vizinha Armênia mantém sob sua ocupação militar o território de Nagorno Karabakh e sete regiões adjacentes do Azerbaijão, que constituem 20% do nosso território e impedem o retorno decentenas de milhares de deslocados cidadãos azerbaijanêses  de suas casas. O Azerbaijão está comprometido em [encontrar] uma solução pacífica do conflito Armênia-Azerbaijão de Nagorno Karabakh, com base na inviolabilidade das fronteiras internacionalmente reconhecidas, na soberania e integridade territorial do Azerbaijão e de acordo com as quatro resoluções do Conselho de Segurança da ONU adotadas em 1993. Hoje o Azerbaijão tem uma política externa independente, equilibrada e multidimensional. Nosso país provou ser um parceiro confiável na cooperação em níveis globais, regionais e sub-regionais. O Azerbaijão atribui grande importância  aodesenvolvimento em grande escala das relações com o Brasil.

É importante mencionar que em 2017, pela primeira vez em nossas relações bilaterais, o Ministro das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil fez uma visita oficial ao Azerbaijão e em maio deste ano, o Presidente do Congresso Nacional Rodrigo Maia realizou uma a segunda visita oficial ao Azerbaijão, ele foi premiado com a medalha do Parlamento do Azerbaijão por sua dedicação o desenvolvimento e fortalecimento das relações entre nossos países.

O Azerbaijão e o Brasil desfrutam de excelentes relações e nos últimos anos desenvolvemos uma dinâmica positiva através do diálogo político, o crescente volume de comércio,visitas oficiais e de trabalho e intercâmbios interparlamentares nas áreas da cultura, juventude, educaçãoe esporte. Tenho certeza de que o Azerbaijão e o Brasil irão ter mais oportunidades de aprofundar as relações e, através de
esforços conjuntos, os laços entre os dois países serão ainda mais estreitos nos próximos anos.

 

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.