Coquetel de gripe e remédios contra o HIV parecem ajudar a combater o coronavírus: médicos tailandeses

Os médicos tailandeses tiveram sucesso no tratamento de casos graves do novo coronavírus com combinação de medicamentos para gripe e HIV, com resultados iniciais mostrando grande melhora 48 horas após a aplicação do tratamento, disseram no domingo.

Reuters / China Daily

Os médicos do Hospital Rajavithi, em Bangkok, disseram que uma nova abordagem no tratamento do coronavírus melhorou a condição de vários pacientes sob seus cuidados, incluindo uma chinesa de 70 anos, de Wuhan, que deu positivo para o coronavírus por 10 dias.

O tratamento sob medicamentos inclui uma mistura de medicamentos anti-HIV lopinavir e ritonavir, em combinação com medicamentos para gripe oseltamivir em grandes doses.

“Esta não é a cura, mas a condição do paciente melhorou bastante. De testes positivos por 10 dias sob nossos cuidados, após a aplicação dessa combinação de medicamentos, o resultado ficou negativo em 48 horas ”, disse o Dr. Kriangska Atipornwanich, especialista em pulmão em Rajavithi.

“A perspectiva é boa, mas ainda precisamos fazer mais estudos para determinar que esse pode ser um tratamento padrão”.

As autoridades de saúde chinesas já estão administrando os medicamentos para HIV e gripe para combater o coronavírus. O uso dos três juntos em um coquetel parecia melhorar o tratamento, disseram os médicos tailandeses.

Outro médico disse que uma abordagem semelhante em dois outros pacientes resultou em um exibindo alguma reação alérgica, mas o outro mostrou melhora.

“Temos seguido práticas internacionais, mas o médico aumentou a dosagem de um dos medicamentos”, disse Somsak Akkslim, diretor geral do Departamento de Serviços Médicos, referindo-se ao medicamento para gripe Oseltamivir.

A Tailândia registrou 19 casos de coronavírus. Dos pacientes tailandeses, oito se recuperaram e foram para casa, enquanto 11 ainda estão em tratamento nos hospitais.

Somsak disse que o ministério da saúde se reunirá na segunda-feira para discutir o tratamento bem-sucedido no caso de 70 anos, mas disse que ainda é muito cedo para dizer que essa abordagem pode ser aplicada a todos os casos.

“Inicialmente aplicaremos essa abordagem apenas em casos graves”, disse ele.

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.