Comércio Turquia-UE está em alta, apesar de laços políticos estagnados

A relação política entre a Turquia e a União Europeia (UE) pode ser instável por causa de uma série de desentendimentos, mas não impediu ambos os lados de expandirem sua parceria comercial, disseram autoridades e especialistas.

A UE é o maior mercado de exportação da Turquia, e as exportações de Ancara para os estados-membros da UE tiveram um aumento de dois dígitos no primeiro semestre deste ano, em meio a uma recuperação das consequências da pandemia de COVID-19, de acordo com os dados oficiais.

O bloco foi responsável por quase 39 por cento das exportações globais da Turquia no primeiro semestre deste ano, segundo os dados.

“Esses números mostram que temos uma parceria econômica sólida com a UE, uma parceria que também queremos expandir para nossos laços políticos”, disse uma fonte diplomática turca à Xinhua, sob condição de anonimato.

O funcionário disse que atualizar o acordo da União Aduaneira existente seria benéfico para ambos os lados.

A Turquia é o único país não pertencente à UE que atingiu o bloco em 1995, o acordo de união aduaneira, que cobre apenas uma gama limitada de produtos industriais e exclui agricultura, compras públicas, comércio eletrônico e serviços. Agora Ancara quer renovar o acordo.

No dia 7 de julho, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que começaram os trabalhos de atualização das Alfândegas UE-Turquia, após uma série de reuniões entre funcionários de ambas as partes, sem dar mais detalhes.

No mês passado, o ministro do Comércio turco, Mehmet Mus, se reuniu com autoridades da UE em Bruxelas. Após a visita, ele insistiu que o lançamento de negociações para atualizar o acordo oferece um conjunto de novas oportunidades e aprofundará ainda mais as relações comerciais e econômicas entre ambos os lados.

“A modernização da união aduaneira e a renovação da cooperação com os migrantes (iniciada em 2016) podem ser os primeiros passos para trazer uma nova compreensão do futuro dos laços Turquia-UE”, disse à Xinhua o analista de política externa, Serkan Demirtas.

“Uma visão de longo prazo deve ser traçada em Bruxelas com ênfase na capacidade do povo turco, na economia e na sociedade civil, o que acabará constituindo uma base sólida para o futuro dos laços”, argumentou ele.

Demirtas também pediu a Ancara que adote uma série de reformas legislativas e judiciárias solicitadas por Bruxelas.

“É hora de iniciar as negociações de modernização da união aduaneira UE-Turquia para definir uma agenda para uma nova parceria estratégica”, disse o economista Guven Sak.

Sak, diretor-geral da Fundação de Pesquisa de Política Econômica da Turquia, argumentou em um artigo no Hurriyet Daily News que atualizar o acordo de 1995 traria um novo ímpeto a um relacionamento em dificuldades, de outra forma politicamente paralisado.

A modernização da união aduaneira elevaria o comércio bilateral entre a Turquia e a UE para mais de 300 bilhões de dólares americanos, um aumento significativo em relação aos atuais 165 bilhões de dólares, segundo observadores.

Fonte: Xinhua

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.