Coluna: Arado-Por Raul de Taunay

ARADO

A cada dia me descubro
Em alguém que desconheço:
Era falante, sou hoje calado,
Agora quieto, antes agitado,
Buscava encontrar o mundo,
No presente, dele me afasto,
Procurava incendiar a alma,
Atualmente, vou sossegado.
Não sou mais o que sonhei?
Não importa, estou vacinado.
Não vou ter o que esperei?
Pouco espero deste arado.
A vida é mesmo um achado!
Corria? Agora ando de frente.
Ansiava? Hoje alteio fulgente.
Os olhos fitos a te admirar,
A boca inteira para te beijar,
Um lume novo para exultar,
Que ainda caminho galante,
Relampeando versos ao ar,
E faço da vida um mirante,
Que me faz rir ou chorar,
Neste planeta inconstante,
Ondeio sem me fragmentar.:

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.