Bolsa para pesquisa sobre aquecimento global na Alemanha

Inscrições até 01/03/2020 

Scenic summer sunset view of the Old Town pier architecture in Lubeck, Germany

O Programa Internacional de Bolsas para jovens especialistas em proteção do clima (International Climate Protection Fellowship for Young Climate Experts from Developing Countries) concede benefício para pesquisa sobre aquecimento global na Alemanha.

Fundação Alexander von Humboldt está em busca de potenciais líderes provenientes de países em desenvolvimento. Os candidatos podem atuar dentro da temática da proteção ao clima em diferentes áreas e níveis de estudo.

Os 20 selecionados irão passar um ano trabalhando em um instituição anfitriã de sua escolha. O objetivo será desenvolver uma pesquisa relacionada ao aquecimento global, proteção climática e conservação de recursos relacionados ao clima.

Benefícios da bolsa de pesquisa em aquecimento global

Quem for escolhido para receber a bolsa da Fundação Humboldt será beneficiado com:

  • Auxílio mensal (entre 2.170 e 2.670 euros, dependendo das qualificações);
  • Provisão para custos de pesquisa e viagens;
  • Curso de alemão (opcional);
  • Orientação individual durante estadia na Alemanha;
  • Suporte financeiro adicional para familiares, despesas de viagem ou curso de alemão;
  • Fase introdutória de três semanas para contato com outros bolsistas, visita a empresas, instituições de pesquisa e eventos culturais na Alemanha;
  • Suporte de ex-bolsistas.

Os bolsistas também podem ter subsídio caso queiram passar uma parte do período em outra instituição europeia. Está prevista também a possibilidade de prorrogação da bolsa por até três meses, caso o bolsista tenha filhos menores de 12 anos com ele na Alemanha.

Requisitos para participar do programa

O programa de pesquisa em aquecimento global procura jovens com perfil de liderança e boas referências. Eles devem ser recém-graduados ou possuir doutorado na área.

Os candidatos interessados deverão enviar um projeto de pesquisa que será realizado durante o período de duração do programa. Além disso, para se candidatar, é preciso ter:

  • Graduação ou equivalente concluída há menos de 12 meses (contando desde o final do período de candidatura – 1º de março);
  • Habilidades de liderança demonstrada por experiência inicial em posições de gestão e/ou referências apropriadas;
  • Ampla experiência de trabalho (mínimo 48 meses no momento da candidatura) ou doutorado concluído com sucesso no campo da proteção climática, aquecimento global ou conservação de recursos relacionados ao clima;
  • Publicações científicas (para candidatos a pós-doutorado);
  • Declaração da instituição anfitriã na Alemanha;
  • Cidadania de um país em desenvolvimento ou não-europeu, que também seja residência e local de trabalho do candidato;
  • Bom conhecimento de inglês e/ou alemão comprovado por certificados;
  • Duas referências de especialistas.

Candidatos que estiverem na Alemanha há mais de seis meses no momento da candidatura não são elegíveis. Da mesma forma, candidatos que já foram bolsistas da fundação não podem se inscrever.

Candidatura para bolsa da Humboldt

É possível se candidatar para a bolsa de pesquisa em aquecimento global até o dia 1º de março de 2020.

A candidatura é feita através do preenchimento de um formulário online e do envio da documentação solicitada. Esta deve ser carregada diretamente no site.

O comitê de seleção é composto por acadêmicos e profissionais de áreas relevantes. A lista dos selecionados deve ser divulgada a partir de setembro de 2020. O programa começa em janeiro de 2021 com o curso intensivo de alemão (opcional). Posteriormente, em março, acontece um seminário para os bolsistas. O período para realização da pesquisa vai de abril de 2021 a fevereiro de 2022.

Fonte: Embaixada da Alemanha

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.