Bangladesh comemora o “Mother Language Day”

Embaixadora Sadia Faizunnessa promove cerimônia virtual que teve a participação da UNESCO e do GDF

Em 1999, a data de 21 de fevereiro foi declarada pela UNESCO como o Dia Internacional da Língua Materna. O objetivo é lembrar a riqueza da diversidade linguística e cultural, como ainda para promover p multilinguismo. Nesse sentido, a embaixada de Bangladesh em Brasília realizou evento on-line nesta segunda-feira (21), em parceria com a UNESCO Brasil e o Governo do Distrito Federal (GDF).  A cerimônia contou com a participação de diplomatas, autoridades políticas e teve apresentações culturais.

Em 2008, a Assembleia Geral das Nações Unidas reconheceu esta data em sua resolução Cultura de Paz, dando-lhe o status de observância global. Para Bangladesh este dia representa o sacrifício para estabelecer o direito de usar a língua materna. A embaixadora de Bangladesh, Sadia Faizunnessa realizou a abertura, sendo seguida por Marlova Jovchelovitch Noleto, diretora da UNESCO Brasil. Renata Zuquim, chefe do Escritório de Assuntos Internacionais, falou em nome do GDF.

De Bangladesh, participou Kamal Abdul Naser Chowdhury, coordenador-chefe do Comitê de Celebração do Pai da Nação Mujibur Rahman Bangabandhu. Também discursou o Embaixador Shabbir Ahmad Chowdhury, Secretário do Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh.

Os Embaixadores da França, Sri Lanka e Reino Unido no Brasil também se pronunciaram. Em seguida, discursou o boliviano Eddie Avela, vencedor do primeiro Prêmio Internacional de Língua Materna. A programação cultural contou com apresentações de música e danças típicas da Argentina, Bangladesh, Brasil, Cuba, Egito e Jamaica. Finalizando a cerimônia foi exibido um vídeo com crianças de diferentes nações falando sobre a importância da língua materna.

Reveja o evento no canal da embaixada no Youtube.

História – O dia 21 de fevereiro de 1952 tem grande importância na história de Banglasdesh . Uma demanda da população do Paquistão começou sua demanda para ter o reconhecimento do bangla (ou bengali), falado pela maioria dos moradores daquela região, como uma das línguas do estado.

O governo paquistanês negou o pedido e teve início uma grande marcha pelo país, num protesto que foi reprimido, gerando mortes. O movimento nacionalista culminou com a independência de Bangladesh, em 1971, adotando como denominação oficial o nome da sua língua.

Entre os mártires do movimento de independência estão o de Salam, Barkat, Rafiq, Jabbar e milhares de outros. ​​Conforme a embaixada, o movimento em defesa da língua “foi a semente da independência de Bangladesh, semeado naquela luta histórica pelo Bangla”.

Na capital Dhaka está o monumento Shaheed Minar, dedicado aos “mártires da língua”. O local é uma lembrança daqueles que foram mortos durante as manifestações do movimento de 1952. Anualmente, em fevereiro ocorrem ali apresentações, danças, dramas de rua com o idiomae herança de Bangladesh. Além disso, uma feira do livro que dura um inteiro, atraindo milhares de pessoas.

Fonte: Embassy News

Compartilhe
Fabiana Ceyhan

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.