Artigo: AZERBAIJÃO: TURISMO E DESENVOLVIMENTO – Por Leila Bijos

Leila Bijos

Josemberg Magno de Oliveira[1]

A República Democrática do Azerbaijão comemora no dia 28 de maio de 2021, 103 anos de independência, com um plano de governo sólido, que em um curto espaço de tempo, abriu caminho para um exponencial crescimento econômico e social.

 Apresenta historicamente, uma interseção entre a Europa, o Oriente Médio, e tem como limites fronteiriços Rússia, ao norte, Irã, ao sul, Geórgia, a nordeste, Armênia a oeste e o Mar Cáspio, a leste, este é o Azerbaijão.

Um país imerso em lendas e mistério, que politicamente, tem a Rússia como seu principal aliado, e na sua rica cultura, traz a influência da Turquia, com sua simpatia, cordialidade, negociação, e a culinária milenar, que insere o Azerbaijão no cenário turístico e econômico mundial.

Por sua multiculturalidade o Azerbaijão se tornou um dos destinos cada vez mais procurados por estudantes europeus, russos e do Oriente Médio, com cerca de 26.000 estudantes internacionais no país. Insere-se nesse contexto, os estudantes brasileiros que se candidatam a cursos no Centro Internacional de Multiculturalismo de Baku, subsidiados pela Agência de Desenvolvimento Internacional do Azerbaijão (AIDA).  

Fonte: Centro de Baku, jardins e Flame Towers. Foto de autoria de Leila Bijos, 2018.

A visita ao Atashgah Temple na vila de Khinalug nos mostra um dos mais impressionantes santuários, onde as chamas não se apagam desde tempos remotos. Esta é a imagem de um país chamado de Terra do Fogo, referência dada por renomados estudiosos, sobre o fenômeno que no passado atemorizou pastores que precisavam se aquecer e a seus rebanhos, e juntaram folhas e arbustos para acender o fogo. Espantaram-se, porque o fogo não se apagava e continuava apenas naquele lugar. Trata-se da combustão no solo onde há depósitos de petróleo. A lenda do templo de Atashgah se tornou a realidade econômica, com novas tecnologias da inovação.

O país está investindo em educação, pesquisa e desenvolvimento, e no setor turístico. É um dos lugares únicos onde diferentes culturas e civilizações se encontram no cruzamento entre o Oriente e o Ocidente, o Norte e o Sul, atraindo pesquisadores e levas de estudantes para a secular cidade de Baku, capital do país, com construções em pedra, inúmeros e aprazíveis parques nacionais, a moderníssimos resorts à beira das águas do Mar Cáspio, são algumas das inúmeras opções que contentará o mais exigente dos turistas.

No quesito economia, o país está em equilíbrio, com uma economia forte, e esta situação pode explicar o grau de segurança interna do país, pois tem um baixo índice de criminalidade.

A manutenção de suas tradições e heranças culturais lhe dá um encanto a mais, aumentando o desejo de visitá-lo. Uma cidade pujante que sente orgulho de suas origens históricas, e convive harmonicamente com as arquiteturas do antigo Icherisherer (Cidade Antiga ou Inner City) e o Maiden Tower, em meio a jardins e fontes, onde jovens fazem piqueniques, tocam violão e cantam alegremente. Ao lado destas relíquias se encontram as Three Flame Towers, exemplo de Arquitetura contemporânea, na área central de Baku, que encanta os turistas com sua iluminação ao inundar o ambiente com mudanças de cores a todo momento.

Muito do sucesso econômico do país se deve ao investimento feito na exploração de petróleo e gás natural, haja vista que possui¸ em seu território, uma das maiores reservas do mundo, além de contar com a sua agricultura, que se fortaleceu.

Ocupando o 39º lugar entre 148 países em indicadores de competividade no campo do turismo no mundo, segundo o site www.hisour.com, demonstra a sua vocação para receber os cidadãos do mundo, que desejarem conhecer os encantos da Terra do Fogo.

Informações trazidas pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (World Travel & Tourism Council- WTTC), na sua pesquisa anual em 2020, infere que enquanto economia global cresceu 2,5%, viagens e turismo cresceram significativamente mais de 3%, que de 1 em cada 4 empregos criados, é no setor de viagens e turismo, a contribuição deste setor para o PIB do país e de 7,2% da economia total, também que o setor de viagens e turismo contribui com 7,7 % do número de empregos no país.

O Azerbaijão está entre os dez principais países que tiveram o maior crescimento nas exportações de visitantes entre os anos de 2010 e 2016. É uma das economias de viagens e turismo que mais se desenvolveu no mundo, pois conta com um grande apoio estatal para o desenvolvimento do turismo. Em 2021, uma outra atração turística desse belo país será a realização do Circuito de Corrida de Fórmula 1.

Um país antigo que tem uma história de conquista para contar às novas gerações de acadêmicos e turistas, de beleza exuberante, minorias étnicas nas montanhas, e cidades interioranas com suas fazendas, parques e museus que cultivam sua ancestralidade, costumes e rituais numa rica convivência social.


[1] Mestrando em Ciência Política e Relações Internacionais (PPGCPRI), Universidade Federal da Paraíba. 

Pós-Doutora em Sociologia e Criminologia pela Saint Mary’s University, Halifax, Nova Scotia, Canadá. Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (CEPPAC/UnB). Professora Visitante do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais (PPGCPRI), Universidade Federal da Paraíba (2020). Coordenadora de Pesquisa do Centro de Estudos Estratégicos (CEEEx), Núcleo de Estudos Prospectivos (NEP), Ministério do Exército (2019-2020). Aigner-Rollet-Guest Professor at Karl-Franzens University of Graz, Áustria Centro Europeu de Formação e Investigação dos Direitos Humanos e Democracia, Uni-Graz (2018/2019). Pesquisadora Visitante no International Multiculturalism Centre, Baku, Azerbaijão (2018). Professora do Mestrado Stricto Sensu em Direito da Universidade Católica de Brasília (2000-2017). Oficial de Programa do PNUD (1985-1999). Professora do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual Transferência de Tecnologia para a Inovação – PROFNIT, Universidade de Brasília (UnB), CDT, Brasília, DF desde 2016.