Aeroporto de Brasília (DF) ganha hoje mais uma opção regular para o voo internacional para o Chile

Após a LATAM ter voltado a operar, no último dia 1º de junho, voos diretos entre o Aeroporto de Brasília (DF) e o de Santiago, no Chile, a capital federal do Brasil ganha hoje mais uma opção para este voo internacional.

A companhia aérea chilena de baixo custo SKY Airline já havia indicado que tinha planos de ampliar os destinos atendidos por suas operações no Brasil, como mostrado em setembro pelo AEROIN.

Na ocasião, a capital federal, Brasília, era uma das cidades citadas pelo Presidente do Conselho da SKY, Holger Paulmann, juntamente com Belo Horizonte e Fortaleza, e agora, a companhia aérea começa a operar no Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek, de Brasília.

Segundo consta nas aprovações de voos do sistema da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a SKY estreará operações entre o Aeroporto Internacional Arturo Merino Benitez, de Santiago, e o terminal da capital brasileira neste domingo, dia 16 de junho de 2024.

Esta rota era atendida pela LATAM até o início da pandemia da Covid-19, em 2020, mas a empresa não havia retomado seu serviço até a SKY programar, em dezembro de 2023, o lançamento da operação para este dia 16 de junho. Então, em fevereiro, a LATAM anunciou seu retorno para 1º de junho.

Os voos da SKY ocorrerão três vezes por semana, às quartas, sextas e aos domingos, com aviões Airbus A320 configurados para 186 passageiros, pousando em Brasília às 17h45 e decolando às 18h40.

Os voos da LATAM são realizados às terças, quintas e aos sábados, com aviões A320 ou A321, configurados para 180 ou 224 passageiros, respectivamente.

Fonte: Aeroin

Compartilhe

Fabiana Ceyhan

Jornalista por formação, Professora de Inglês (TEFL, Teaching English as a Foreigner Language). Estudou Media Studies na Goldsmiths University Of London e tem vasta experiência como Jornalista da área internacional, tradutora e professora de Inglês. Poliglota, já acompanhou a visita de vários presidentes estrangeiros ao Brasil. Morou e trabalhou 15 anos fora do país.